De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Comunidades

Sete portugueses repatriados de Moçambique

Sete portugueses foram este domingo repatriados de Moçambique, num avião que foi fretado pelo Estado português e que chegou à cidade da Beira, no sábado, com carga e elementos da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, numa reunião com a comunidade portuguesa da Beira, cidade do centro de Moçambique afetada pelo ciclone Idai no dia 14, disse que são cinco homens, uma mulher e um jovem de 15 anos regressam a Lisboa.

O governante disse que dos 93 portugueses que estavam por contactar na sequência do ciclone há ainda 12 por contactar. O secretário de Estado falou especificamente de um português de Buzi, das zonas mais afetadas, José Arsénio da Fonseca.

Caetano Pestana, da Atlantic Airways, disse à agência Lusa na Beira que o voo que transporta os sete portugueses partiu às 13:00 e que são pessoas que ou têm problemas de saúde ou perderam todos os bens durante o ciclone. O ciclone e as cheias que se seguiram provocaram até agora 446 mortes. Em centos de acolhimento estão mais de 109.000 pessoas, segundo os últimos dados.

No encontro com a comunidade portuguesa, José Luís Carneiro (na foto abaixo), que partiu da Beira depois de quase uma semana na região, garantiu que o consulado está em condições de apoiar os portugueses, e na sequência de críticas que tinham sido feitas de falta de apoio disse que no dia do ciclone foi enviado um email a mais de 1.900 pessoas a alertar para a situação.

No balanço sobre as ações tomadas na última semana, o responsável disse que a prioridade foi recuperar o consulado, cujas obras começam na segunda-feira, onde os meios humanos foram reforçados e que temporariamente vai ter apoio médico durante as manhãs.

Uma equipa do INEM esteve a verificar as condições do hospital da Beira, onde material em falta já chegou e já foi entregue, disse também o governante, acrescentando que também está a ser feito um esforço em termos de comunicações (o consulado já tem internet desde sábado).

Os serviços consulares também estão a fazer um levantamento das famílias que precisam de apoio para recuperação de casas – foram identificadas e apoiadas 15 famílias que precisavam de ajuda -, e está a ser feito um levantamento da destruição de empresas, para ativar uma linha de crédito.

José Luís Carneiro lembrou ainda que a cidade da Beira está geminada com pelo menos as câmaras de Lisboa, Porto, Coimbra, Sintra e Seixal, que estão todas disponíveis para ajudar a Beira, e disse que a Câmara do Porto vai apoiar a reconstrução da Escola Portuguesa.

De Portugal já chegaram a Moçambique dois aviões C130 e um avião comercial alugado. Ao todo chegaram seis toneladas de recursos, entre alimentos, redes mosquiteiras e material de higiene.

Na Beira, vindos de Portugal, já estão bombeiros, elementos da GNR, do Serviço Nacional de Proteção Civil, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), das Forças Armadas e da EDP.