De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

Programadores russos são os melhores do mundo, Portugal é 41º

Já são conhecidos os resultados da final do International Collegiate Programming Contest (ICPC) que decorreu ontem na Alfândega do Porto. A equipa portuguesa – composta por três alunos da Universidade do Porto (Alberto Pacheco, Ricardo Pereira e Gonçalo Paredes) – ficou na 41.ª posição global da tabela, num total de 135 equipas de 47 países em competição. A nível europeu, a Universidade do Porto conquistou o 15.º lugar. Relembre-se que esta é a primeira vez que Portugal participa nas finais daquela que é considerada a maior, mais antiga e prestigiante competição de programação do mundo.

No total, foram cinco horas contínuas em que os participantes tiveram de resolver 11 problemas do quotidiano – sobre lojas de azulejos, construção de pontes ou organização de sinais de trânsito –, utilizando linguagem de programação C++ ou Java e recorrendo a lógica e “criatividade algorítmica”. A equipa portuguesa respondeu, de forma eficiente e correta, a cinco desses desafios, juntamente com outras 20 universidades. A competição – que este ano, e pela primeira vez, se realizou em Portugal, numa organização da Universidade do Porto – juntou mais de 400 jovens considerados os melhores e mais brilhantes talentos na área da programação em todo o mundo.

Universidade de Moscovo revalida o título de campeã mundial

A grande vencedora da 43.ª edição do ICPC foi a Moscow State University, tendo sido ainda a campeã da região Eurásia Norte e a primeira a resolver dois dos desafios. Esta é a primeira instituição de ensino que consegue ganhar dois anos seguidos. O Massachusetts Institute of Technology (vencedores da região da América do Norte), a University of Tokyo (campeões da Ásia Pacífico) e a University of Warsaw (a melhor equipa da Europa) receberam também medalhas de ouro.

Já as medalhas de prata contemplaram a National Taiwan University (Taiwan), a University of Wroclaw (Polónia), a Seoul National University (Coreia do Sul) e a KimChaek University of Technology – a equipa da Coreia do Norte que foi também campeã da região Ásia Oriental. Finalmente, o bronze foi entregue à Sharif University of Technology (do Irão e vencedores da região Ásia Ocidental), ao Moscow Institute of Physics & Technology (Rússia), à National Research University Higher School of Economics (Rússia) e à Chinese University of Hong Kong (Hong Kong).

Equipa da Síria é a vencedora da sua região

A Syrian Virtual University foi considerada a melhor equipa da região de África e Médio Oriente, tendo ficado em 21.º lugar nos resultados gerais. Já na região da América Latina, foi a Argentina a grande vencedora, nomeadamente a Universidad Nacional de Córdoba. O desafio mais rapidamente decidido foi o quinto, num total de 14 minutos, sendo que o décimo primeiro e o nono foram aqueles que mais tempo “roubaram” aos participantes, tendo demorado, no mínimo, 243 a 245 minutos a serem resolvidos. Curiosamente, nenhum dos 405 participantes conseguiu resolver o terceiro problema, que envolvia um jogo de damas.

Com o apoio da Câmara Municipal do Porto, do Turismo de Portugal e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, a competição juntou os melhores estudantes universitários na área da programação de computadores, engenharia e matemática de todo o mundo. O ICPC tem atraído uma atenção crescente por parte de grandes marcas tecnológicas, sendo uma oportunidade única para os alunos revelarem o seu talento às empresas que aproveitam o campeonato para recrutar as “mentes mais brilhantes”. A final de 2019 realiza-se entre 21 e 26 de junho, em Moscovo, na Rússia.