De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Popeye, o marinheiro mais famoso do mundo está de parabéns: faz 90 anos!

Embora tenha sido celebrado em Janeiro passado, só hoje me lembrei de falar desta efeméride… O famoso marinheiro que ficava forte quando comia espinafres foi criado pelo cartoonista norte-americano Elzie Crisler Segar, em 1929. Para criar Popeye, o desenhador teve como inspiração um homem que conheceu na infância em Chester, no Estado de Illinois, EUA. Tal pessoa era Frank “Rocky” Fiegel, um reformado que costumava limpar um bar para ganhar dinheiro. O homem tinha o olho direito meio fechado e estava sempre com o cachimbo na boca enquanto contava aventuras imaginárias.

Mas embora já tenha 90 anos de vida, o retrato que o imaginário colectivo guarda de Popeye não podia estar mais distante do que era nas suas origens… no início, ele não comia espinafres. Mas devido a algumas crianças passarem a mostrar mais interesse pelo marinheiro, para fantasiar mais a história, a marijuana que ele consumia foi substituída por espinafre.

A sua primeira aparição deu-se a 17 de Janeiro de 1929, numa banda desenhada intitulada “The Thimble Theatre”, que na altura já contabilizava uma década. Nessa tira diária, Elzie Crisler Segar, com base no quotidiano da família Oyl, onde predominavam o colérico Castor, a sua irmã Olive (Olívia Palito), e o seu noivo Ham Gravy, apontava alguns dos podres da sua América: a volatilidade das fortunas, o novo-riquismo ou as desigualdades sociais. Neste contexto, e dada a sua aparência, nada faria esperar que aquele marinheiro meio zarolho, careca, de corpo deformado, baixo e pouco inteligente viesse a tornar-se um herói de primeira categoria. Porém, foi exactamente o que aconteceu a Popeye, que logo na sua primeira aparição revelava a sua forma desconcertante de estar na vida. Em resposta à pergunta “É um marinheiro?”, disparava esta curiosa resposta: “Penso que sou um cowboy!”, e que mais tarde foi substituída pela carismática: “Eu sou o que sou!”. Popeye caracterizava-se, ainda, pelas tatuagens de âncoras que tinha nos braços e pelo seu amor pela magricela Olivia Palito.

A adesão dos leitores foi imediata e logo em 1931 o seu nome passou a aparecer no cabeçalho: “The Thimble Theatre Starring Popeye”. A galeria de personagens alargou-se com a chegada do pai, Poopedeck Pappy, o estranho animal Eugene the Jeep, a malévola Sea Hag (Bruxa do Mar), o sonhador devorador de hambúrgueres, Wimpy, ou o brutamontes Brutus. Juntamente com o marinheiro, que na altura tinha força sobre-humana e era resistente a tiros e a todo o tipo de violência física, deram corpo a narrativas cada vez mais surreais, até à morte de Segar, vítima de leucemia, em 1938.

Antes disso, em 1933, os estúdios Max Fleischer juntavam Popeye e Betty Boop durante o breve tempo de uma curta animação, para em seguida desenvolverem uma série com o marinheiro, que protagonizou centenas de desenhos animados, onde foi cimentada a sua atual imagem de marca: a força dependente dos espinafres, algo praticamente ausente na BD. Esse facto provocou um aumento de 33 % no consumo deste vegetal só nos Estados Unidos e fez com que Cristal City, no Texas, a maior produtora de espinafres do país lhe erigisse uma estátua em 1937. E, por incrível que pareça, dois anos antes, uma sondagem revelava que Popeye era mais popular do que Mickey Mouse. Quem diria?

O sucesso fez com que, após a morte de Segar, a banda desenhada continuasse nos jornais assinada por diversos autores, entre os quais se destacaria Bud Sagendorf (1915-1994), que lhe conferiu um caráter mais humorístico e próximo da versão animada, assinando-a entre 1958 e 1994, aumentando a sua popularidade. Fruto disso, a anorética Olive Oil inspirou um perfume da Moschino, nos anos 1960, e teve direito a uma série televisiva e em 1981, chegou ao grande ecrã, numa película de Robert Altman, que revelou o actor Robin Williams.

O filme foi integralmente filmado em Malta, em pleno Mediterrâneo, onde foi construída uma vila em Anchor Bay, uma das áreas de mergulho mais popular de toda a ilha. O cenário original do filme ainda hoje permanece no local, tendo-se tornado uma das grandes atracções turísticas para os vários viajantes que visitam Malta, especialmente para os apaixonados da personagem. A “Popeye Village” é hoje um Parque Temático, composto por dezanove casas coloridas onde diariamente são recebidos centenas de turistas, que não querem perder a oportunidade de conhecerem as personagens principais do filme – Popeye, Olivia, Brutus e Wimpy.

Em Portugal, no que à banda-desenhada diz respeito, o marinheiro nunca obteve a popularidade de que gozava no seu país de origem, mas a verdade é que se estreou logo em 1939, em “O Pirilau”. Na maioria das publicações limitou-se a aparições breves, embora entre as dezenas de revistas se contem títulos de referência como o “Mundo de Aventuras”, o “Condor Popular” ou o “Jornal do Cuto”. Teve ainda direito a duas compilações de histórias de Segar (em 1973 e em 2004) e inclusive a uma publicação com o nome próprio, editada pela Agência Portuguesa de Revistas em 1980, e que durou algumas dezenas de números.

Em jeito de antecipação para a celebração dos 90 anos do marinheiro, no final do ano passado, a King Features Syndicate estreou no YouTube uma nova série animada com 25 episódios, intitulada “Popeye’s Island Adventures” onde, ao abrigo do politicamente correcto, o popular Popeye utiliza um apito em vez do tradicional cachimbo e só come espinafres orgânicos. O seu espinafre agora é plantado e enlatado pelo próprio Popeye, que comanda uma produção orgânica no seu navio. E nestas novas aventuras do marinheiro mais conhecido do mundo, a personagem está muito diferente: Popeye está mais novo e a sua voz característica desapareceu, dado que nesta nova produção, o marinheiro não diz uma palavra. Olívia Palito também está de volta, mas não mais no papel de “donzela indefesa”, que precisava sempre ser salva de Brutus. Logo no primeiro episódio, ela desenvolve uma invenção voadora e ajuda o marinheiro a dar um fim nos planos no vilão.

Contudo, e apesar dos seus 90 anos, algumas dúvidas/ curiosidades pairam no ar sobre Popeye:
– Em vários episódios, Olívia maltrata, bate e até trai Popeye. No entanto, apesar de não apresentar nenhum atractivo físico e nos maus modos, por que ele insistia tanto no amor por esta mulher?
– Brutus começa diversos episódios sendo um grande amigo de Popeye e no meio do capítulo, torna-se seu inimigo. Ele o trai e o ofende. Por que o marinheiro não o retira da sua lista de amigos?
– O que seriam as deformidades nos seus braços?
– A marca de espinafre Popeye tornou-se a segunda maior marca do produto na América.
– Este alimento vegetal não lhe dava apenas super força, mas também o transformava num óptimo dançarino.
– Diversos episódios tiveram cenas cortadas por apresentarem um conteúdo extremamente ofensivo racialmente – eles “atacavam” japoneses e afro-americanos.