De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Meu Deus

meu Deus
esfarrapam-me o corpo
os teus abruptos calvários

a tua farpada ausência
chaga-me a alma

uma coroa de espinhos
o atormentares-me
o pensamento

é um imparagonável chicote
ver-te nomeado nos meus versos
vergões acarinhando sangue

de que serve
larápio de luz
as escuridades iluminares-me
com lívidas faúlhas?

a ti
que ignoras a álgebra da dor
em verdade te digo:
és um grande criminoso

em tua defesa nada proferes
como sempre
O teu sombrio silêncio
faz de ti o maior patife

vade retro, Satana
vade retro

dm

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.