De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Europa

Em Manchester as sardinhas portuguesas estão na moda

Sardinistas” é o nome do negócio, uma banca situada no mercado de Altrincham, na periferia de Manchester, onde se vendem latas de peixe, que entretanto se expandiu para outros produtos portugueses, como biscoitos, mel, vinho, artesanato ou ervas.

“Foi depois de uma viagem a Lisboa em 2015, onde vi alguns bares lindíssimos de conservas e lojas que vendem apenas peixe em conserva que me chamaram a atenção. Em Manchester nós comemos muito peixe em conserva e eu como peixe em conserva desde a minha infância. Fiquei fascinada por ver estas latas com embalagens tão bonitas e com peixe de diferentes qualidades. Foi assim que começou”, contou à agência Lusa..

Após uma experiência positiva durante a época do Natal de 2015 e 2016, este ano passou a ter a banca aberta pelo menos três dias por semana, reforçando o catálogo com produtos de pequenas empresas de Portugal.

“A reação tem sido ótima. Muitas pessoas daqui comem peixe enlatado. Eu sei que Lisboa agora é uma atração turística e que as pessoas veem [as latas] lá. Mas eu tenho clientes que continuam a voltar todas as semanas para comprar os nossos produtos porque sabem que podem comprar aqui. E nós somos os únicos na área de Manchester a vender este tipo de produtos”, acrescentou.

Sem qualquer relação com Portugal exceto a de visitante durante as férias, Imogen Brownlee vê na qualidade, diversidade e na beleza das embalagens dos enlatados portugueses uma oportunidade de negócio com potencial.

Este ano, no final de julho, um evento gastronómico em colaboração com um restaurante noutro bairro de Manchester, em Chorlton, que usou os enlatados como base para os pratos servidos, abriu o apetite para um novo passo.

“No próximo ano quero fazer um esforço para colocar estes produtos em mais bares e restaurantes, especialmente em restaurantes que não têm cozinha. Isto pode ser uma coisa fácil para servir. Com uma boa salada e pão, pode ser fantástico”, acredita.

A curto-prazo, a empreendedora quer investir num ‘site’ de Internet, mas sonha em ter a sua própria loja ou mercearia para vender e servir os produtos portugueses.