De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Europa

Emmanuel Macron manifestou apoio às reformas do Presidente angolano

O Presidente francês, Emmanuel Macron, manifestou esta segunda-feira, em Paris, “todo o apoio às reformas iniciadas pelo Presidente” João Lourenço, no primeiro dia da visita oficial do chefe de Estado angolano a França.

João Lourenço foi recebido no Palácio do Eliseu, onde almoçou com o seu homólogo francês, tendo ambos sublinhado, em conferência de imprensa, a vontade de reforçar as relações bilaterais.

“Dou todo o meu apoio às reformas iniciadas pelo Presidente Lourenço. A luta contra a corrupção, a facilitação de vistos para os empresários, homens de negócios ou assalariados e a reforma do quadro do capital da economia que permite limitar os constrangimentos e abrir a economia angolana a parceiros, investidores e atores económicos estrangeiros, a meu ver vão na boa direção”, afirmou Emmanuel Macron.

O Presidente francês destacou que esse é o caminho para “melhorar o crescimento do país, criar mais oportunidades e mais emprego e acelerar a diversificação da economia que é indispensável nos próximos meses e anos”.

As declarações foram feitas após a assinatura de quatro acordos de cooperação no domínio da Defesa, da Agricultura, da Economia e da formação de quadros, acordos que, no entender de Emmanuel Macron, “vão levar a um maior empenho da França” em Angola.

Emmanuel Macron indicou, por exemplo, que na sequência de um acordo assinado em março, a Agência Francesa de Desenvolvimento vai investir, numa primeira etapa, 100 milhões de dólares no domínio da agricultura e vai dar uma subvenção de 500 mil euros para a identificação de novos projetos.

O Presidente francês também disse que foram assinados acordos no setor petrolífero e sublinhou que o Presidente de Angola vai ser recebido, esta tarde, no MEDEF Internacional (Movimento das Empresas de França), para um encontro com cerca de 80 empresários franceses.

Emmanuel Macron declarou-se “muito sensível” por João Lourenço “ter escolhido França para primeiro destino na Europa desde a sua eleição”, manifestou-se “muito empenhado no reforço das relações entre França e Angola” e disse que se trata de uma “etapa suplementar para reforçar a cooperação em todos os domínios”, incluindo o militar e de segurança marítima.

João Lourenço iniciou, hoje, em Paris, a visita oficial a França, tendo-se deslocado, esta manhã, à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), onde foi recebido pela diretora geral da instituição, Audrey Azoulay.

Depois, o Presidente angolano esteve no Museu Militar – Hôtel National des Invalides, onde decorreram as cerimónias oficiais de boas-vindas, com os hinos nacionais dos dois países e na presença do ministro da Agricultura francês, Stéphane Travert, do governador militar de Paris e da delegação oficial angolana.

Esta tarde, João Lourenço vai deslocar-se à Assembleia Francesa e, depois, dirige-se ao ramo internacional do Movimento das Empresas de França (MEDEF), onde está prevista a assinatura de acordos entre a Sonangol e a Total, assim como um encontro com cerca de 80 empresários franceses e 20 angolanos.

No final do dia, está prevista uma deslocação à Embaixada de Angola em França.

Na terça-feira, o Presidente de Angola vai à cidade de Toulouse, no sul de França, onde vai visitar, de manhã, as fábricas da ATR e da Airbus e, à tarde, o Liceu Agrícola e o Instituto Nacional de Pesquisa Agronómica, em Auzeville, a Cooperativa Agrícola Arterris, em Castelnaudary, e se vai encontrar com uma representação da comunidade angolana residente em França.

Na quarta-feira de manhã, o programa fecha com uma entrevista coletiva à revista económica Valeurs Actuelles e aos jornais Le Monde e Le Figaro e uma entrevista ao canal de televisão Euronews.

A França é a primeira visita oficial de João Lourenço a um país ocidental, depois de ter realizado visitas a vários países africanos, como África do Sul, República Democrática do Congo, Zâmbia ou Namíbia desde que foi empossado como terceiro Presidente da República de Angola, em setembro de 2017.