De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Opinião

“A mulher-casa” de Tânia Ganho

Ficha técnica

Título – A mulher-casa

Autora – Tânia Ganho

Editora – Porto Editora

Páginas – 376

Opinião

Há muito tempo que queria ler este livro. Há mesmo muito tempo. Não conhecia a autora, ou melhor, apenas conhecia o nome de Tânia Ganho associado ao mundo da tradução de obras literárias. Nada sabia, no entanto, sobre as suas próprias obras literárias, aquelas que foi escrevendo e que infelizmente foram passando despercebidas. Livros muito provavelmente com tiragens pequenas e que muito trariam, se tivermos em conta a qualidade de A mulher-casa, à literatura e cultura do nosso país.

Numa das minhas frequentes visitas ao blogue da Márcia, tropecei na opinião (fabulosa, como sempre) que escreveu sobre esta obra e não resisti a adicioná-la de imediato à minha wishlist. Mais tarde, tive a sorte de comprá-la a metade do preço, mas hoje sei que não seria dinheiro deitado fora se a tivesse adquirido sem qualquer desconto, tal a competência da autora, a frescura e riqueza da sua escrita e a empatia que estabeleci com Mara, a protagonista.

Mara está casada com Thomas e é mãe do pequeno Raphäel. É modista de chapéus e vê a sua vida alterar substancialmente quando o marido aceita um emprego promissor como “pluma” de um Ministro em ascendência no governo francês. Os três mudam-se para Paris e instalam-se num pequeno apartamento na Escola Militar, junto do Campo de Marte, “paredes meias” com a Torre Eiffel. Esta mudança ganha contornos preponderantes, já que é mais uma que agita a vida de Mara sem que ela seja a sua verdadeira protagonista – primeiro veio a maternidade, o filho fora do seu corpo, que a esgota física e emocionalmente; depois vê-se obrigada a deixar para trás a sua pequena cidade, a sua aldeia natal para encontrar-se, de um dia para o outro, na capital, numa cidade que fervilha a um ritmo caótico, onde não conhece ninguém e onde se sente cada vez mais só, apenas acompanhada de um ser pequenino, mas que suga todas as suas forças e todos os seus minutos.

Mara toma consciência de que, desde que se mudaram para Paris, ela e Thomas estão a viver vidas diferentes: enquanto a dele descreve uma curva em rápida ascensão, a dela estagnou, e a imagem dessas duas linhas desencontradas no gráfico da existência deixa-a tristíssima.” (pág. 53)

O bebé anula uma parte dela, torna-a invisível.” (pág. 91)

Tem saudades de Thomas, Thomas antes de Paris. Saudades de si mesma, antes de Raphäel, sabendo, porém, que se lhe tirarem Raphäel, ela deixa de existir.” (pág. 129)

Aos poucos está a transformar-se num dos quadros de Louise Bourgeois, uma mulher-casa, metade edifício, metade humana, um ser que não se percebe se está aconchegado no interior de uma toca ou aprisionado numa jaula, uma cela de manicómio.” (pág. 142)

Como se pode depreender pelo que referi e acima de tudo pelos excertos que aqui deixo, A mulher-casa é uma obra que se centra na figura feminina. Todos os homens que fazem parte da vida de Mara – marido, filho e, posteriormente, um amante – são personagens que atuam ao seu redor, que não lhe ofuscam o protagonismo. Contudo, ela tem a perfeita noção (e o leitor também) que a sua vida nunca será completa, inteira sem “os seus homens”. Quer desesperadamente ser independente, sem amarras à casa, a um papel de esposa, de mãe, uma mulher que se pode sustentar, que pode dedicar os seus minutos apenas a si, ao seu trabalho, aos seus interesses. Mas também quer desesperadamente ser o centro das atenções do seu marido, quer ser apaparicada, mimada, tratada como uma princesa, quer que Thomas deixe de render vassalagens ao Chefe e as renda apenas a ela.

Mara é assim uma personagem muito contraditória. É o retrato das inúmeras facetas de uma mulher, com as quais eu ou qualquer ser do sexo feminino se pode identificar, porque uma ou outra vez já nos sentimos como Mara se sente, já agimos como Mara age, já pensamos e sonhamos como Mara pensa ou sonha. É uma personagem que tanto nos irrita com os seus amuos, os seus caprichos como nos enternece com as suas fragilidades e devaneios. Entendemos as suas frustrações, as suas revoltas, tendo, porém, consciência de que em determinados momentos nos irá apetecer agarrá-la, agitá-la e dizer-lhe na cara que está na altura de crescer. Enfim, é uma protagonista muito imperfeita, muito humana, que poderia, sem dúvida, ser uma de nós ou alguém muito próximo de nós.

A mulher-casa não é, no entanto, apenas uma obra protagonizada por uma mulher igual ou semelhante a uma de nós. É igualmente uma obra que nos faz percorrer as ruas e espaços de Paris, sobretudo aqueles que se situam junto a um dos seus maiores símbolos. Através de uma escrita riquíssima em sensações e pormenores, é muito fácil viajarmos pelos espaços que rodeiam a Torre Eiffel sem sairmos de nossa casa. Acompanhamos Mara e a sua família nas idas ao Campo de Marte, a lojas e espaços culturais, sentamo-nos ao lado da protagonista nos telhados do seu apartamento e absorvemos tudo o que Mara absorve com o olhar, o olfato, a audição, o tato e até o paladar.

A competência da autora está também presente nos conhecimentos que nos chegam através do labor de Mara e da confeção dos seus chapéus, dos factos históricos e políticos, dos mimos gastronómicas que saem das mãos de Mathéo e da irmã de Mara e das sugestões culturais que assimilamos dos gostos e escapadelas da protagonista ora sozinha ora acompanhada.

Tudo isto faz deste livro uma leitura muito saborosa. Senti-me muito bem, muito confortável neste pequeno nicho do mundo das letras de Tânia Ganho e quero muito conhecer outros nichos seus, porque é sempre um prazer enorme conhecer autores novos, principalmente autores que escrevem muito bem, que têm cuidado e respeitam a nossa língua, que trazem frescura, riqueza e inteligência num estilo recheado de passagens suculentas, emotivas, sensoriais e com um travo bem sensual. Recomendado!

Obrigada, Márcia, pela opinião que partilhaste comigo e com os outros. Trouxe-me até aqui!

NOTA – 09/10

Sinopse

“Ela é uma modista de chapéus pouco conhecida; ele, um ghostwriter de políticos menores e personalidades duvidosas. Quando trocam a pacata Aix-en-Provence pela imponente Paris, levam consigo toda uma bagagem de sonhos e promessas de glamour. Porém, o crescente sucesso profissional do marido depressa reduz Mara ao papel de mãe e dona de casa, arrastando-a para um abismo de solidão e desencanto.

É então que se envolve com Matthéo, um jovem chef mais novo do que ela, e de súbito se vê enredada numa espiral de sentimentos contraditórios onde a lealdade, a luxúria e o dever encerram as agonizantes perguntas: poderá uma adúltera ser uma boa mãe? Poderá ela esperar que este amor proibido a salve de si mesma e da sua falta de fé?”

in O sabor dos meus livros