De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Comunidades

Universitários macaenses já podem voar para a Europa

As autoridades de Macau anunciaram esta sexta-feira a realização de cinco voos para a Europa a partir do aeroporto do território, para permitir o regresso dos estudantes inscritos em universidades no estrangeiro no próximo ano letivo, incluindo portugueses.

“O Governo está preocupado com a aproximação do fim das férias de verão e [com o facto] de os alunos que estudam no estrangeiro necessitarem de viajar para prosseguir os estudos”, divulgaram as autoridades de Macau em comunicado.

Os cinco voos, com destino ao Reino Unido (Londres) e França, vão ser operados pela companhia aérea de Taiwan Eva Air, com escala na capital, Taipé, precisaram as autoridades na nota.

“À chegada, os alunos podem optar por viajar para Portugal e outros países e preparar-se para o início das aulas”, pode ler-se na nota do executivo.

Os voos para Londres realizam-se nos dias 26 de agosto e 9 e 23 de setembro, segundo a mesma fonte. Além destes, estão previstos mais dois voos de Macau para França, via Taipé, nos dias 28 de agosto e 4 de setembro.

Na segunda-feira, o cônsul-geral de Portugal em Macau e Hong Kong, Paulo Cunha Alves, disse à Lusa que pelo menos duas dezenas de alunos portugueses no território aguardavam para saber como viajar para Portugal para frequentar estudos superiores, tendo alguns contactado o consulado com pedidos de informação.

O diplomata precisou nessa altura que era “difícil estimar” o total de alunos afetados pelas restrições às viagens impostas no território devido à pandemia de covid-19.

De acordo com Paulo Cunha Alves, ao consulado chegaram “alguns pedidos de informação” de alunos, depois de as autoridades da Região Administrativa Especial de Macau [RAEM] anunciarem ser pouco provável que venha a ser reaberto um corredor marítimo com Hong Kong, de onde saem a maioria dos voos internacionais.

“Estamos em contacto com as autoridades da RAEM para as sensibilizar para o assunto, embora existam outras possibilidades, como seja o cumprimento da quarentena em Hong Kong antes de viajar para a Europa ou tentar efetuar ligações aéreas via Taipé ou Seul [capital da Coreia do Sul], a partir do aeroporto internacional de Macau”, referiu ainda Paulo Cunha Alves.

Na quinta-feira, alguns pais de alunos finalistas da Escola Portuguesa de Macau estiveram reunidos com o cônsul, para solicitar ajuda na organização de um voo ‘charter’ para cerca de 40 alunos, segundo o jornal local Hoje Macau, com o diplomata a indicar que tal não seria viável, segundo a mesma fonte.