De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Lifestyle

Uma solução para quem não quer ser apanhado com álcool a mais no sangue

Uma equipa de cientistas desenvolveu uma tecnologia para reverter o envenenamento por monóxido de carbono, mas acabou por descobrir que o dispositivo criado também pode reduzir o envenenamento por álcool.

Normalmente, as toxinas do álcool são eliminadas pelo fígado, mas a taxa de metabolização é constante, o que significa que não é possível acelerar o processo. Recentemente, investigadores da University Health Network, no Canadá, criaram um dispositivo que ajuda a eliminar o álcool do corpo ao respirar, escreve o portal ZAP.

O ClearMate consiste numa máscara, com um reforço frontal para a boca e para o nariz, que incentiva a hiperventilação respiratória. Na sequência desta ação, pequenas quantidades de álcool vão sendo eliminadas cada vez que o utilizador expira.

“O método é tão simples e óbvio que, só olhando para ele, ninguém reconhece o seu potencial”, disse o anestesiologista Joseph Fisher, autor de um artigo científico publicado na Scientific Reports.

Quando está a hiperventilar, o corpo humano elimina oxigénio até três vezes mais rápido do que o normal, mas ninguém consegue fazê-lo durante longos períodos de tempo. Com isto em mente, os cientistas pensaram não só em ampliar a duração dessa atividade respiratória, mas também em fazer com que ela filtrasse o álcool.

A nova máscara ventila uma mistura de dióxido de carbono e oxigénio, que incentiva a hiperventilação, enquanto previne desmaios fruto de respirações aceleradas.

Segundo os cientistas, além de aliviar a embriaguez e evitar uma potencial ressaca, o ClearMate também pode ser aplicado em emergências médicas. “Se um paciente estiver inconsciente, pode ser inserido um tubo nos pulmões para proteger a sua respiração, e o mesmo método pode ser aplicado manualmente”, disse Fisher.

Apesar de o dispositivo ter obtido a aprovação da Food and Drug Administration (FDA), nos Estados Unidos, para o tratamento do envenenamento por monóxido de carbono, serão necessários mais dados para que a mesma tecnologia seja aceite como um tratamento para reverter o envenenamento por álcool.