De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Um homem de peso

Quando as ruas das nossas cidades eram rigorosamente vigiadas, sacudir, para a via publica tapetes, carpetes… e até simples pano de pó, era expressamente proibido. Quem não cumprisse a lei sofria pesada multa.

Meu pai, devido à doença que vitimou minha mãe, contratou criadita para realizar o meneio da casa – casarão de alforge com dez quartos! – Reservou, porém, à esposa, a alegre tarefa de confecionar as refeições.

Apesar de avisada, esta, habituada a lidar em moradias da província, sacudia descuidadamente, tudo ou quase tudo à janela sem se preocupar com quem passasse no passeio.

Certa ocasião, ao sacudir o pano de pó, não reparou, que bem defronte ao prédio, estava parado um polícia dos antigos, daqueles que não perdoavam a multazinha…

O guarda logo interrogou a vizinhança, com o fim de se inteirar da atrevida. Disseram-lhe que a casa era do Senhor Máriozinho…

– Máriozinho quê?! – Interrogou o janízaro.

– Não sabemos – responderam as mulheres.

Mas, a mais expedita informou que o Senhor Manuel dono da mercearia devia saber.

Todo lampeiro, o polícia entrou na loja, de nariz empinado.

O senhor Manuel ouviu-o atentamente e informou-o:

– É o senhor Mário Pinho. Homem de peso; e muito considerado…

– É homem de peso?! – Interrogou o agente de autoridade, estampando no rosto, expressão de receio.

– Sim: e até escreve nos jornais!…

– Ah! muito obrigado…Muito obrigado. Se é homem de peso e escreve, é melhor esquecer a multazinha…

Mais tarde, meu pai, ao conhecer o diálogo travado com o merceeiro, comentava, sentado à mesa oval, de mogno polido, onde tomávamos as refeições: – Realmente sou homem de peso… Peso oitenta e dois quilos…

Assim se livrou da multa.

Somos todos iguais – dizem os entendidos, – mas há uns, mais iguais, do que outros…

A lei é para todos. A justiça é cega…

Mas, já dizia o nosso clássico Padre Manuel Bernardes: As leis são como as teias de aranha. Se cai nela uma pedra, rompe-a, e fica ilesa; se cai nela a mosca, fica presa, e paga o seu descuido ou atrevimento. Assim os grandes zombam das leis, e o castigo de se quebrarem, fica só para os pequenos.”

Humberto Pinho da Silva

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.