De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Tu também não!

– Tu, o eterno viandante, o passageiro sem destino, o perdido e o achado, o aventureiro incidental, o amante inconstante, o poeta boémio, o escriba de outros mundos, porque te deixas ficar na minha praia?

– Gosto da espuma dos teus dias, da tua baía na minha boca, desta costa que se deixa desenhar pelos meus dedos ledos e litorais, é linda nos meus braços. Sabes, a verdadeira liberdade é decidir a quem se quer estar preso.

– Mas, olha, não te apaixones!

– Tu também não, miúda, tu também não…

Mal sabíamos nós.

JLC23022017 (in ‘Diário de A.’)