De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Lifestyle

Três filmes portugueses vencem Festival Internacional de Curtas

Quatro filmes, três deles portugueses e um polaco, foram os vencedores da 16.ª edição do Festival Internacional de Curtas-Metragens de Évora (FIKE), nas diversas categorias a concurso, revelou esta segunda-feira a organização.

O certame, promovido pela Sociedade Operária de Instrução e Recreio (SOIR) Joaquim António d’Aguiar e pela Câmara de Évora, começou no dia 07 e terminou este domingo.

Em comunicado enviado esta terça-feira à agência Lusa, a organização revelou a lista de premiados do FIKE 2019, indicando que o filme “A Ver o Mar”, de Ana Oliveira e André Puertas, venceu como “melhor Curta Portuguesa e Voto do Público”.

O prémio na categoria de “Documentário” foi atribuído a “História de Lobos”, de Agnes Meng, e o de “Animação” foi conquistado pela curta-metragem “Entre Sombras”, de Mónica Santos e Alice Guimarães.

“O cinema documental e em português sai reforçado nesta edição do FIKE com três categorias a concurso a serem arrebatadas por ‘filmes documentário’”, destacou a organização.

Do rol de distinções atribuídas pelo júri, o único projeto estrangeiro galardoado foi a curta-metragem polaca “I’ve Got Something For You Too”, de Iwo Kondefer, que venceu a categoria de “Ficção”.

O 16.º FIKE levou o cinema independente e de autor para as ruas da cidade, pois decorreu num espaço ao ar livre na Praça 1.º de Maio, junto ao mercado, em pleno centro histórico.

Segundo os promotores, o FIKE recebeu este ano para a sua vertente competitiva “três centenas de filmes” de todos os pontos do mundo, nas categorias de ficção, documentário e animação, mas “só 40” foram apurados para “a seleção oficial em competição”.

Os filmes exibidos retrataram “um questionamento social que atravessa o mundo”, com “muitos” deles “a fazerem o reconhecimento da africanidade do mundo, mostrando realidades e ficções de territórios tão diversos como a Colômbia ou a Austrália, com o cinema a fazer primeiro que a Europa a descolonização do mundo pela arte”.

Pelo certame, que também integrou outras iniciativas paralelas, passaram ainda “muitas ficções, animações e documentários em português”, o que constituiu “uma oportunidade para ver filmes premiados em festivais pela Europa e filmes em estreia absoluta para o público”, segundo a organização.

O FIKE contou com o apoio da Direção Regional de Cultura do Alentejo, da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC) e de um projeto que integra o programa europeu CHEBEC.