De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

Sete empresas no pelotão dianteiro para a cura da covid

A economia global foi devastada pela pandemia de coronavírus e parece ser consensual que o retorno ao normal só será possível quando houver vacinas eficazes e amplamente disponíveis. Assim os investidores estão a acompanhar de tão perto as empresas na linha da frente para desenvolver tal medicamento. Nesta análise, apresentamos os principais candidatos ao pódio.

É importante distinguir entre o medicamento contra o coronavírus e a vacina contra o coronavírus. O primeiro visa aliviar os sintomas do Covid-19 e curar pacientes que já o contraíram, enquanto o segundo tem em vista prevenir a contração do vírus, desenvolvendo o sistema imunitário de longo prazo para a doença.

A pandemia apanhou o mundo desprevenido e a necessidade de encontrar tratamento ou vacina é grande. Por causa disso, as regras de aprovação e julgamento foram relaxadas em alguns países, a fim de acelerar o desenvolvimento. É por isso difícil comparar esses anúncios com notícias semelhantes para medicamentos que não são de coronavírus. Os primeiros testes de muitos medicamentos e vacinas Covid-19 começaram antes do coronavírus chegar ao nível de uma pandemia global. Tal significa que esses ensaios foram frequentemente realizados em amostras limitadas ou sem grupos de controle adequados; pelo que, as evidências desses ensaios iniciais devem ser vistas com cautela. Por outro lado, o vencedor desta corrida poderá usufruir de uma vantagem competitiva enorme. Por essa razão, qualquer vestígio de informação encontra grande reação por parte dos investidores.

O Remdesivir fabricado pela Gilead Science (GILD.US) é atualmente o mais famoso medicamento para o coronavírus. Demonstrou resultados promissores em ensaios clínicos e foi aclamado por autoridades americanas. Embora o fato de vários reguladores de saúde em todo o mundo o tenham aprovado para uso no tratamento Covid-19 possa parecer uma conquista, é necessária alguma explicação.

Não é um medicamento novo – foi usado há alguns anos no tratamento do Ebola e, por isso, sabemos que é seguro usá-lo. É por isso que foi aprovado tão rapidamente. Gilead entrou em testes finais no final de fevereiro, quando a pandemia ainda estava num estágio inicial, sem que fosse possível adquirir uma amostra de tamanho pré-especificado. No entanto, o Remdesivir é o único medicamento atualizado que mostrou efeitos significativos (o tempo de recuperação foi reduzido de 15 para 11 dias). À medida que mais pacientes são tratados, os investidores podem aguardar mais notícias sobre a eficiência do produto.

Os rumores sobre o medicamento da Gilead e a eficácia do mesmo nos primeiros testes reais levaram o preço das ações a saltar. No entanto, a faixa de preços de longo prazo, que varia de US $ 85 a 89, revelou-se difícil de escapar. As ações já apagaram mais da metade do movimento ascendente iniciado no final de janeiro de 2020. Pode-se encontrar um grande suporte nos US $ 62, mas esse preço está muito distante do preço atual.

Várias empresas, incluindo AstraZeneca (AZN.UK), Eli Lilly (LLY.US) e Regeneron Pharmaceuticals (REGN.US), tentam desenvolver um tratamento com anticorpos que possa imitar a resposta do sistema imunológico. As biotecnológicas com candidatos promissores estão, atualmente, a produzir o suficiente para poder realizar testes em seres humanos.

Eli Lilly parece estar na vanguarda, pois planeia pedir aprovação ao regulador dos EUA para iniciar testes em seres humanos no final de maio. No entanto, como a maioria dos testes deve começar em meados do ano, provavelmente teremos de esperar alguns meses para conhecer os resultados.

A Eli Lilly (LLY.US) não só já recuperou da liquidação do primeiro impacto do pânicom gerado pela COVID, como também bateu novos recordes históricos, nos US $ 165/ ação. As ações devolveram alguns ganhos posteriormente, mas rapidamente começaram a negociar num canal ascendente. O preço desceu ao limite inferior do canal ontem.

As notícias de que a vacina contra o coronavírus desenvolvida pela Moderna (MRNA.US) tenham mostrado resultados promissores nos primeiros testes, fizeram as bolsas de valores subirem no início desta semana. Diz-se que a vacina cria uma resposta do sistema imunológico.

No entanto, esses testes preliminares não foram feitos no sentido de provar a eficácia da vacina, mas sim a sua segurança. A Moderna queria averiguar primeiro se a vacina não causa efeitos secundários. Agora que provou que é segura, seguirão ensaios que envolvem um grande número de pessoas. Os resultados desses ensaios serão fundamentais para determinar a eficácia da vacina. Os ensaios de segunda fase têm por o objetivo determinar a dosagem e devem começar a qualquer momento. Já os ensaios de terceira fase, de larga escala, devem começar em julho.

Os investidores parecem ter dúvidas sobre a vacina da Moderna (MRNA.US). As ações iniciaram a semana com um grande gap de alta, mas caem desde então. A área em torno de US $ 67,50 agiu como uma resistência antes do anúncio do resultado dos testes preliminares e pode atuar como um suporte caso a retração continue.

Há também duas outras vacinas dignas de nota em desenvolvimento. A Sanofi (SAN.FR) fez parceria com a GlaxoSmithKline (GSK.UK), enquanto a AstraZeneca (AZN.UK) fez parceria com a Universidade de Oxford.

A Sanofi e a GSK tentam desenvolver uma vacina a partir da vacina contra a gripe desenvolvida pela Sanofi. As duas empresas receberam financiamento do governo dos EUA e planeiam iniciar testes em seres humanos no segundo semestre do ano. A capacidade atual permite produzir 600 milhões de doses por ano, mas a Sanofi e a GSK pretendem duplicar essa capacidade. Os executivos dizem que os Estados Unidos terão prioridade em receber a vacina, comentário esse que provocou indignação na França, onde a Sanofi tem sede.

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford tentam desenvolver uma vacina alterando um vírus inofensivo. O Reino Unido financiou a pesquisa e terá o direito de receber a vacina primeiro. A vacina já está a ser testada em seres humanos e pode chegar a testes de estágio avançado a meio do ano. A AstraZeneca pretende disponibilizar até 30 milhões de doses no Reino Unido até setembro de 2020.

AstraZeneca (AZN.UK) também recuperou até níveis pré-pandémicos. As ações estiveram em alta desde então, embora tenham iniciado uma pequena correção recentemente. O primeiro suporte a ser observado pode ser encontrado no limite inferior da estrutura Overbalance. Observe que os 23,6% de retração de FIBO e o limite inferior do canal podem ser encontrados na mesma zona.