De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

Sapatos portugueses à conquista de Nova Iorque

Uma nova missão comercial está neste momento a mostrar a indústria portuguesa de calçado a Nova Iorque, num programa que junta outros sectores da fileira moda e deixa a música a cargo do duo português Best Youth, sem esquecer os números e o objetivo de duplicar as exportações de sapatos “made in Portugal” para o maior importador de calçado do mundo até ao final da década, o que significa correr até aos 160 milhões de euros.

O programa está centrado na presença de 27 empresas lusas (18 do sector do calçado, seis do vestuário e três da joalharia) num espaço coletivo na feira Market NY, da UBM Fashion NY Men’s and Women’s. São 100 metros quadrados no Javits Center, o espaço suficiente “para mostrar a excelência da oferta nacional”, sob o nome do país, “Portugal”, diz a APICCAPS – Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos sobre este “showcase” de marcas portuguesas

 

“Queremos que seja um momento de afirmação da marca Portugal com uma imagem de modernidade”, sublinha Paulo Gonçalves, diretor de comunicação da APICCAPS, para explicar este conceito preparado em conjunto com a ANIVEC – Associação Nacional dos Industriais de Vestuário e Confeção, e a AORP – Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal, numa parceria com a AICEP e o Programa Compete 2020, para vestir os americanos dos pés à cabeça.

Juntos, os três sectores representam mais de 5 mil milhões de euros nas exportações portuguesas, com o vestuário a contribuir com 3,1 mil milhões de euros, o calçado a valer 1,96 mil milhões e a ourivesaria a somar 100 milhões ao total. E se as ações conjuntas não têm sido muito frequentes no passado, as estruturas associativas da fileira da moda coincidem em defender o reforço desta tendência, prometendo continuar a “dar as mãos para ganhar força lá fora”.

Para o vestuário, para a jolharia e para o calçado, os Estados Unidos são um mercado importante – já é o sétimo nas exportações portuguesas -, que todos querem ter no ranking dos melhores clientes.