De que está à procura ?

Colunistas

Sacramento

És manhãs de amor e tardes de calor
horas de desatino, lençóis em desalinho
noites estreladas e todas as minhas madrugadas.
És os meus dias e as minhas horas
os meus minutos e os meus segundos
e toda a mecânica do meu coração.

As minhas mãos nos teus seios cheios
o teu rosto em mim
os teus cabelos na cascata da minha boca
quando me olhas assim
as tuas coxas e as tuas pernas cerceando-me sem dano
as tuas costas arqueadas numa alegre semifusa
as tuas gotas de suor num arco-íris profano
e nesse instante supremo quero lá saber da hipotenusa
e até a gramática fica à míngua
quando a duna da tua barriga toca na minha língua
é só o teu esforço no meu
o teu cansaço no meu
e tudo o mais que faço
é no teu regaço, arregaço, amasso, desfaço, trespasso, refaço.

Descanso.
Descansa.

E és finalmente todo o teu corpo a desaguar no meu
como se a tua foz fosse a minha garganta
e o meu peito a tua esperança.
Desagua nos meus braços e dança na minha boca
segura-te aos meus flancos
escorre pelas minhas margens
como a força das marés.

Que a Lua grave
desta atracção nada sabe
nem o teorema de Newton
compreende esta lei.

Um rio não se engana a caminho do mar,
então porque hás-de tu?

José Luís Correia

(Imagem: “The Kiss”, Edward Munch (1895) / CC BY 4.0)

 

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

TÓPICOS