De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Recortes de jornais de Portugal e Espanha

O mundo avança, evolui e muda cada dia a uma maior velocidade. E isso leva-nos a uma sociedade crescentemente digitalizada à qual muitos profissionais e empresas não se sabem adaptar.

A destruição criativa da humanidade não evoluiu de maneira linear, mas por escalões. Quando aparece uma nova tecnologia disruptiva, como foi a máquina

A Auditoria já representa menos de 50% do negócio das “Big Four” na maioria dos países em que atuam.

Em 2010, selecionaram-se ao acaso 20 fábricas têxteis de Bombaim, a quem foi prestada assessoria aos Executivos de 14 delas. Após alguns meses, a produtividade das fábricas intervencionadas cresceu 17% e o nº de artigos defeituosos produzidos reduziu-se em cerca de 50%.

Os desafios da maioria das empresas de relevo de hoje são a transição energética, as Telecom’s 5G e a Inteligência Artificial

Observa-se no mercado um desfasamento entre o talento necessário nas empresas e o disponível no mercado. As empresas têm falta de profissionais com conhecimentos de Digitalização e Inovação, Tecnologias, … de que há falta.

No seio das empresas, a liderança tem vindo a evoluir de um estilo mais hierárquico para um modelo mais horizontal. É necessária uma crescente proximidade por parte do Gestor, escuta ativa, trabalhar mais a componente do bem-estar … O Talento de hoje tem uma série de inquietudes que fazem com que seja importante não só a atração, com a retenção do mesmo.

A maioria das empresas cotadas nos dias de hoje está focada em modelos de capitalismo responsáveis, em que as companhias não só devem servir os interesses dos Acionistas, mas também dos Clientes, Colaboradores e a sociedade em que estão presentes.   

É necessário incrementar a Empregabilidade e a Formação do talento e de aumentar o tamanho médio das PME’s. Por outro lado, necessitamos de ganhar competitividade, produtividade e resiliência.

Nova CEO da TAP Air Portugal. A crise não acabou, mas começa a haver mais confiança:

  • Três meses depois de tomar posse, a nova CEO da TAP mantem-se empenhada em aumentar as receitas, cortar custos e restaurar a confiança dos trabalhadores e dos clientes da companhia;
  • Os resultados do 1º semestre mostram que conseguimos reduzir significativamente os custos, mas as receitas desceram por razões obvias;
  • As viagens de lazer são mais resilientes e vão retomar mais cedo, mas as viagens de trabalho não.

Criação de Marcas de excelência portuguesas:

  • As Marcas são o que permite captar valor para um país. Podemos ser excelentes a fazer coisas para terceiros, mas dessa forma não retemos o valor. Portugal tem um enorme deficit de marcas e não tem nenhuma marca global.

Conselhos de Elon Musk para uma Equipa de Sucesso:

  • O Patrão da Tesla é conhecido por se focar no que realmente importa e por fintar os obstáculos para chegar onde quer. Sendo também conhecido pela forma como envolve e motivas as suas equipas nos projetos em que estão envolvidas;
  • Desenvolva uma Visão de 360º: Musk quis construir foguetões para levar humanos a Marte, mas antes disso teve de pensar em reduzir o custo da viagem. A sua 1ª grande lição é “abordar os problemas como um todo”;
  • Pequenos passos solidificam vitórias: qualquer Empreendedor sabe que não se chega ao sucesso com apenas um passo, nem rápido. Musk é apologista da estratégia dos pequenos passos. Orienta as equipas para definirem pequenas metas e cumprirem pequenas conquistas de cada vez até alcançarem o objetivo final. No caminho é importante ir celebrando as vitórias e as pequenas conquistas alcançadas;
  • Foque-se no que conquistou: Musk é não só um entusiasta da superação como um otimista por natureza, que defende que o foco deve ser no que correu bem, mesmo que o percurso some diversas armadilhas.

Segundo Cavaco e Silva, o Governo português deve assumir como prioridade o aumento da produtividade e da competitividade através da execução de medidas estruturais e reformas do estado que favoreçam a expansão do investimento nacional e estrangeiro nos setores de bens transacionáveis, o aumento das exportações e o desenvolvimento de atividades de crescente Valor Acrescentado.   

Principais desafios que as empresas da INDÚSTRIAS devem ter em mente:

  • A pandemia obrigou a maioria das empresas a reinventar os seus negócios, olhando não apenas para o presente como para o futuro;
  • A Indústria em geral depara-se presentemente com falta de matérias-primas (componentes, chips, …), apesar de terem interessantes encomendas para satisfazer, o que lhes está a travar a retoma dos negócios;
  • A crise pandémica também evidenciou a excessiva dependência de um pequeno nº de fornecedores externos, em especial dos mercados asiáticos, o que tem levado a reestruturações das cadeias de Supply Chain;
  • Esta crise gerou, contudo, boas oportunidades para as indústrias que se tenham conseguido adaptar e tenham apostado no aumento do Valor Acrescentado dos seus produtos e serviços;
  • São críticas as apostas na formação e requalificação dos colaboradores, na reengenharia de processos e na crescente digitalização e disrupção dos diferentes negócios.

Nos dias de hoje, o crescimento sustentado de qualquer indústria só é viável através da INOVAÇÃO, pelo que a maioria dos dirigentes terão de repensar o funcionamento das seguintes áreas críticas:

  • Otimização dos processos operacionais e administrativos e eliminação dos desperdícios (focus nos cost drivers);
  • Reestruturação da cadeia de Supply Chain (pessoas e tecnologias);
  • Automatização das operações e digitalização de processos (aumento da agilidade, performance e conectividade);
  • Melhoria da comunicação e do reporting interno (onde residem grande parte das ineficiências);
  • Formação contínua e diferenciada dos colaboradores (adaptada à tecnologia e aos processos internos).

Mandamentos de carreira de GESTORES BEM-SUCEDIDOS:

  • COMO CHEGUEI ONDE ESTOU: revela a importância da Autoanálise, Ambição e da Perseverança para o Sucesso;
  • APAIXONE-SE PELO QUE GOSTARIA DE SER: o que se imagina a fazer no futuro e onde seria feliz? A procura constante dessa resposta foi vital para a maioria dos líderes de sucesso.
  • RELATIVIZE AS REAÇÕES: as reações dos outros são positivas, mas não deve tornar-se escravo delas. Antes de se deixar influenciar pelas opiniões de outrem, pense: quem lhe deu tal opinião está focado no seu melhor desempenho? Tem experiência no seu cargo? Conhece o seu trabalho?
  • MONITORIZE A SAÚDE DA SUA CARREIRA: devemos cuidar da n/ carreira como cuidamos da nossa saúde. Devemos fazer duas análises por ano às nossas carreiras. Reserve tempo para analisar o que já alcançou, o que quer alcançar, o caminho para lá chegar e se está na rota certa. 

A escassez de profissionais altamente qualificados em Portugal, em particular no setor Tecnológico, está a levar um crescente nº de empresas a recrutar quadros no Brasil e Índia. O recrutamento no mercado europeu não é solução dado que os salários são bastante mais altos.

Sendo Portugal um dos países com menos qualificações da Europa, é urgente adotarmos uma política proativa de captação de Talento. Para dinamizar a economia é preciso atrair conhecimento nas diferentes áreas de atividade. E o setor tecnológico é um dos mais carenciados. Portugal está a ser vítima do seu próprio sucesso, dado que as empresas tecnológicas estão a crescer muito e o país não produz talento em quantidade suficiente para acompanhar esse ritmo.

A formação em Portugal é muito boa, mas está longo de satisfazer a procura.

Além do crescente sucesso das tecnológicas portuguesas, um elevado nº de multinacionais do setor estão a instalar-se em Portugal, fazendo disparar a procura de profissionais de IT.

Portugal transformou-se num importante Hub Tecnológico Europeu não só pela qualidade do ensino universitário nas áreas tecnológicas, mas também por sermos um pais estável, seguro e por estarmos a cerca de duas horas de avião dos principais países da Europa. 

O mundo avança, evolui e muda cada dia a crescente velocidade. Tal leva-nos a uma sociedade digitalizada, à qual muitos profissionais e empresas não se sabem adaptar.

A humanidade sempre evoluiu de forma escalonada. Quando surge uma nova tecnologia disruptiva, como foi a máquina a vapor, destroem-se postos de trabalho mal pagos para, a prazo, surgirem trabalhos melhor pagos.

A Digitalização é a transformação do negócio para a ERA DIGITAL. Para tal é critico mudar o modelo de negócio e/ou mudar de canal de vendas/ comunicação/ … .

Os profissionais de vanguarda de hoje devem frequentar “Escolas de Negócios Digitais”, focadas na transformação das competências e que não estejam apenas centradas no upskilling – em melhorar o que já sabemos, mas também no reskilling – que nos ensinem o que ainda não conhecemos e no preskilling – que nos ajudem a mudar a nossa maneira de pensar e de intuir as novas oportunidades.   

A indústria turística tem vindo a reduzir expressivamente os seus gastos em publicidade e spots de TV e a redirecionar esses gastos para as Redes Sociais e as Plataformas Digitais, de modo a dinamizar a sua interação com os potencias clientes nos tempos atuais.

Um dos fenómenos mais notórios da última década são as startups. Por regra, empresas jovens, de base tecnológica e com um elevado potencial de crescimento. O seu tempo médio de vida é de 2.69 anos. Terminam vendendo-se a Terceiros (EXITS), por regra empresas tecnológicas estrangeiras de maior dimensão.

As probabilidades de colocar a startup num estádio superior dependem em grande medida da superação da barreira temporal que separa os que sobrevivem dos que morrem. 

Há diversas fases que definem a maturidade de uma organização:

  1. A fase BETA (o protótipo – mínimo produto viável);
  2. A Continuação: a fase do lançamento do produto e as suas primeiras vendas;
  3. A fase de SCALEUP: por regra as startups que faturam +1 Milhão €/ ano 
  4. E por último, a fase da consolidação.

(Recortes de jornais de Portugal e Espanha,  de 9/10 a 17/10/2021)

Jorge Fonseca

GEORGE

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.