De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Previsões económicas para Portugal após a crise sanitária

Para que comecemos a pensar nas nossas vidas após a crise sanitária da covid-19 eis um resumo das atuais previsões económicas para Portugal. As previsões de várias instituições para a recessão económica portuguesa, na sequência da crise causada pela covid-19, vão de um recuo do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,8%, no cenário mais otimista, até aos 20%, no mais pessimista.

1. A previsão mais otimista é a de uma recessão de 0,8% em 2020, no melhor dos cenários previstos por João Pisco, analista financeiro e de mercados do Bankinter Portugal, num quadro em que “a pandemia é controlada rapidamente de forma eficaz”.
O cenário base do Bankinter é, no entanto, de uma queda de 2,7% do PIB em 2020, que assume “uma contração bastante severa no segundo trimestre, seguida de uma recuperação relativamente célere, que terá início em meados do terceiro trimestre e se irá acentuando ao longo do quarto trimestre”. Já no cenário pessimista, o analista do Bankinter aponta para uma queda de 4% do PIB em 2020, assumindo que a paragem da economia “se estende por mais do que dois meses”.

2. A segunda instituição menos pessimista é o Banco de Portugal (BdP), cujo cenário base projeta uma quebra de 3,7% da economia nacional em 2020, assumindo que “o impacto económico da pandemia é relativamente limitado, o que decorre, em parte, da hipótese de que as medidas adotadas pelas autoridades económicas são bem-sucedidas na contenção dos danos sobre a economia”. Já no cenário adverso do BdP, de uma quebra de 5,7% do PIB, “assume-se que o impacto económico da pandemia é mais significativo devido à paralisação mais prolongada da atividade económica em vários países, conduzindo a maior destruição de capital e perda de emprego”, e uma “maior incerteza e níveis de turbulência mais significativos nos mercados financeiros”.

3. Segue-se um estudo do economista do ISEG (Universidade de Lisboa) António Afonso, elaborado para a Rede Europeia para a Investigação em Política Orçamental e Económica, que prevê uma queda de 3,9%, no melhor cenário, a 5,8% no pior. De resto, o Grupo de Análise Económica do ISEG aponta para uma quebra do PIB entre os 4% e os 8%, de acordo com a Síntese Económica de Conjuntura de março. O intervalo nas quebras previstas, de 4% a 8%, “assume, implicitamente, duas evoluções diferenciadas para a crise e emergência sanitário-económica”. Uma é a “evolução menos penalizadora para a atividade económica em que as maiores restrições durarão cerca de dois meses com gradual relaxamento das restrições e regresso ao funcionamento das atividades encerradas nos meses posteriores”, e outra “uma evolução mais duradoura da fase mais restritiva, ou uma abertura mais lenta das atividades económicas agora encerradas”.

4. O Fórum para a Competitividade, por sua vez, aponta os mesmos números que o ISEG, considerando que se a pandemia for contida nas próximas semanas, não só em Portugal como nas principais economias, pode haver uma “recuperação relativamente rápida, ainda que com limitações”, o que levaria a uma quebra de 4% do PIB. Já se crise se prolongar por mais tempo e as “medidas lançadas se revelem insuficientes”, a queda do PIB é estimada em 8%. Segundo o Fórum para a Competitividade, o setor do turismo deverá ser dos mais afetados, já que mesmo numa melhoria da situação o receio de contágio deverá continuar a limitar as deslocações, penalizando o setor.

5. Na casa dos 5% aos 10% ficaram as previsões do economista Francisco Louçã, que numa entrevista à Lusa apontou para um recuo “mais próximo dos 10%”, com o risco de a recuperação ser “muito lenta”. O professor universitário disse que vê “muitos economistas a tratar esta crise como se fosse uma crise em ‘V’, em que há uma queda da produção devido a um choque exógeno e há, depois, uma rápida recuperação”. Uma tese que Louçã diz ser a que aparentemente está a ser seguida “pelo Ministério das Finanças português”, mas que não passa de “uma história mal contada”.

6. A previsão mais pessimista é a da Universidade Católica, cujo Núcleo de Estudos (NECEP) apontou, em 23 de março, para uma queda do PIB de 20%, no cenário mais adverso. Para o cenário central é estimada uma contração do PIB da ordem dos 10%, e no cenário mais otimista, a previsão é que o PIB irá cair 4% em 2020.

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.