De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Portugal

Porto quer mudar a mobilidade nas avenidas Brasil e Montevideu

As avenidas do Brasil e de Montevideu, no Porto, vão sofrer obras de beneficiação da faixa de rodagem e passeio poente, através da recuperação do estado dos pavimentos e implementação de um novo esquema de mobilidade local.

Segundo o site oficial da Câmara Municipal do Porto, a empreitada, gerida pela GO Porto, arranca na terça-feira, tem uma duração de 45 dias – distribuídos por quatro fases de construção – e um investimento de 400 mil euros.

O objetivo desta obra é a de melhorar a segurança rodoviária e pedonal, referiu.

A principal alteração assenta na integração, ao nível da faixa de rodagem, da ciclovia bidirecional que, anteriormente, se localizava nos passeios marítimos em zona de partilha com os peões, explicou.

“Este passará a ser um canal exclusivamente dedicado à mobilidade clicável e não apenas de caráter lúdico, com efeito na diminuição dos riscos de segurança para ciclistas e peões”, salientou.

Segundo a autarquia, este modelo dá continuidade à intervenção na Rua do Coronel Raúl Peres onde a interação entre bicicletas, peões e automóveis se faz de modo seguro e organizado ao estabelecer prioridades de circulação entre os diferentes modos de transporte e garantir a fluidez do tráfego.

Relativamente ao trânsito pedonal serão criadas novas passadeiras, protegidas com semáforos e com um tempo único de verde para os atravessamentos de pessoas, sendo eliminadas as situações de conflito em que o verde para peões convive com o verde para o automóvel quando este muda de direção.

Na nota, a câmara vincou que esta medida tem vindo a ser implementada, progressivamente, em todas as interceções com semáforos.

A empreitada envolve ainda o rebaixamento de todos os atravessamentos, assim como a sua dotação de pisos táteis.

A largura das vias rodoviárias destas ruas será encurtada, mas manter-se-á a capacidade de escoamento, com uma redução da velocidade, acrescentou.

“Os lugares de estacionamento e de cargas e descargas atualmente existentes no lado nascente permanecerão inalterados”, concluiu.