De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Poesia

Na solidão do quarto procurava as palavras
A conjugação perfeita da sintaxe
Para dizer do seu mundo
Para aclarar sombras
Dissipar medos
A explicação primordial do seu caos interior!

Não inventava nada
Ali, tudo permanecia quieto e transparente
O que fora, o que perdera
O que amara e como amara
A solidão das cidades revisitadas, cinzentas e frias
A dor da não pertença, da sublime ausência!

A metáfora do poema desvendava-a ao mundo
Sem pudor, sem preconceito!