De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Poemas esbeltos

Poemas esbeltos e robustos jazem sem idade
Em bancos de jardins cheios de emoção
Tem sorrisos largos cheios de felicidade,
Ostentando geometria e fogo no coração.

E olhos nos olhos diz o poeta assim é que eu te queria
Acariciar tuas rimas invisíveis e soletrando versos
Pois assim é que eu queria abraçar-te com alegria
Enquanto a tua voz pedisse por novos versos.

Pois comigo declamando é que eu te queria
Com pele de alva, ensolarada de sorrisos,
Deitada num arco íris e comendo aletria
Saltando barreiras poéticas de cabelos lisos.

Assim poesia que eu te queria, sem tempo e idade
De corpo aberto, entregue, escaldante e com brio
E juntos em sonho e sono até à eternidade
Bebendo talento bem quente. E por vezes até frio.

José Valgode

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.