De que está à procura ?

Colunistas

Os nossos descendentes irão rir-se de nós

AP Photo/Rodrigo Abd

A guerra na Ucrânia não é uma guerra como qualquer outra; nela estão também directamente envolvidos civis na qualidade de combatentes de rua…

A Alemanha já entregou 500 mísseis antitanques, 500 mísseis antiaéreos Stinger e 2.000 mísseis Strela e outro equipamento a Kiev… A Alemanha tornou-se assim também uma parceira da guerra…

A imprensa alemã relatou, já há tempos, que foram entregues aos civis ucranianos em Kiev Kalashnikovs e outras armas. Isto mostra que esta não é uma guerra como as outras; além dos interesses nacionais em defesa joga-se também com o fanatismo, o que torna tudo mais complicado. E depois o que podemos esperar de um soldado russo quando é alvejado por civis?

Como as coisas se estão a desenvolver, Putin fica com Donbass (território pró-russo), verá confirmada a aquisição da Crimeia e poderá jogar com o trunfo de Mariupol. Como compromisso, a nova Ucrânia poderia entrar na UE, mas não na NATO. Assim, a Ucrânia que hoje se tornou num obstáculo ao diálogo tornar-se-ia numa ponte entre a União Europeia e a Rússia. Doutro modo, a Europa renunciará por muito tempo a um baldado sonho de voltar a ser ela mesma e os que apostam em repartir o mundo é que ganharão, mas apenas por algum tempo. Esperemos pelo dia em que a Europa e a Rússia se comportem como irmãos!

Assiste-se a uma emocionalização geral da nossa interacção social e isto empurra a argumentação para segundo plano. O interesse por uma política da paz parece diminui também nas populações!

Tudo leva a crer que como resultado deste imbróglio irão surgir duas ordens mundiais: uma de caracter mais autoritário de economia socialista (asiática) e outra de caracter mais liberal a economia capitalista (ocidental)!

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

TÓPICOS