De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Portugal

O médico que cruza ilegalmente a fronteira para ajudar Portugal

© Global Imagens / JN

Napoleón Sánchez, médico cirurgião, residente em Celanova, na Galiza, a 40 quilómetros da fronteira com Portugal, atravessa a pé, de forma clandestina, todos os dias de manhã, uma pequena passagem sobre o rio Trancoso para ir trabalhar em Melgaço.

Com a fronteira principal de S. Gregório-Ponte Barxas encerrada devido à pandemia, a estreita travessia metálica, escondida no meio da vegetação, na aldeia de Cristóval, é uma escapatória para evitar percursos longos. Por ali passavam noutros tempos contrabandistas e gente que ia a salto para França.

Foi “apanhado” pelo JN quando regressava a Espanha, pela velha ponte “dos moinhos do Araújo”. Trazia na mão um saco de pão comprado em Melgaço, como é hábito de muitos galegos. E assumiu, descontraído, que arrisca pelos trilhos do contrabando para poupar “uma hora e meia a mais de percurso”. “Venho todos os dias às seis da manhã, desde que fecharam a fronteira. Trago um carro até aqui, atravesso e tenho outro carro do outro lado”, descreve quem se diz sentir “praticamente um contrabandista”. “Voltamos à época antiga”, lamenta.

O médico, que trabalha há 20 anos em Melgaço, considera “ilógico” ter de fazer o percurso de Celanova até à ponte Tui-Valença.

Leia o artigo completo em Jornal de Notícias.