De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

Ninguém quer estas vespas num avião

As Pachodynerus nasidens, mais conhecidas por vespas “buraco de fechadura”, constroem os seus ninhos em buracos minúsculos, como o seu nome sugere. Um dos sítios em que estas vespas podem construir ninhos é nas aberturas de dispositivos usados para medir a velocidade de aeronaves, mostra um recente estudo.

Em 2013, um Airbus A330-200 estava a preparar-se para levantar voo quando reparou que havia um problema com as leituras de velocidade da aeronave. Duas horas depois, o avião teve autorização para descolar, mas o problema voltaria a aparecer já no céu. O piloto comunicou a situação e viu-se obrigado a fazer uma aterragem de emergência.

“Na inspeção, os restos daquilo que parecia ser uma vespa foram encontrados no tubo pitot”, esclareceu Alan House, autor principal do estudo publicado este ano na revista científica Transportation Research Interdisciplinary Perspectives. O tubo pitot é um instrumento de medição de velocidade e é importantíssimo para garantir a segurança da aeronave.

Embora a possibilidade de inseto fazer um avião despenhar-se pareça remota, a verdade é que já aconteceu no passado. Segundo o Gizmodo, em fevereiro de 1996, um Boeing 757 caiu logo após a descolagem da República Dominicana, matando todos os 189 passageiros. O piloto calculou mal a velocidade do avião devido a uma anomalia no tubo pitot. A culpa foi, precisamente, de uma vespa.

Alan House descobriu que vespas “buraco de fechadura” construírem ninhos nestes instrumentos é mais comum do que se possa pensar. Estes insetos vivem em ambientes tropicais e subtropicais e medem cerca de 10 a 12 milímetros de comprimento.

De novembro de 2013 a abril de 2019, os funcionários do Aeroporto de Brisbane, na Austrália, relataram 26 incidentes relacionados com vespas, alguns deles resultando em “procedimentos de emergência”.

House distribuiu tubos pitot falsos pelo aeroporto e, ao longo de 39 meses, estudou o comportamento das vespas. Todos eles foram ocupados por ninhos de vespa, à exceção do mais pequeno, que tinha apenas uma abertura de três milímetros.