De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Lifestyle

MOTELX premeia curta metragem portuguesa

A 13.ª edição do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror chegou ao fim este domingo, depois de seis dias com milhares de espetadores no Cinema São Jorge. Este ano de 13, o público decidiu contrariar qualquer superstição, esgotando o maior número de sempre de sessões.

“Erva Daninha”, de Guilherme Daniel, é o grande vencedor do Prémio MOTELX – Melhor Curta de Terror Portuguesa / Méliès d’Argent 2019. O júri composto por Samuel Úria, Howard David Ingham e Raquel Freire justificou assim esta escolha: “Erva Daninha foi o filme que mais nos surpreendeu; ficámos fascinados e perturbados desde o início. Numa competição muito forte, soube comunicar verdadeiramente uma estranheza sobrenatural, e é um filme que nos dá a sensação de ser única e autenticamente Português”. O júri destacou ainda as interpretações “tremendas e sensíveis” dos actores Daniel Viana e Isabel Costa.

O júri decidiu ainda atribuir uma Menção Especial a “Häuschen – A Herança”, de Paulo A. M. Oliveira e Pedro Martins, “uma versão moderna do clássico conto de fadas negro” que considerou “muito forte em todos os sentidos”, mas em particular pelo seu “final bem conseguido, construído de maneira a ser simultaneamente perturbador e satisfatório para o público.”

Na competição internacional, “Why Don’t You Just Die!”, de Kirill Sokolov, venceu o Prémio MOTELX – Melhor Longa de Terror Europeia / Méliès d’Argent 2019. Uma “decisão difícil” que o júri composto por David Gregory, Miguel Gonçalves Mendes e Rita Anjos justificou pela “grande frescura e audácia” do filme, que se destaca pelos seus “múltiplos twists e humor negro”. “Why Don’t You Just Die!” é a primeira longa-metragem do realizador russo de 29 anos e tem feito sucesso no circuito internacional de festivais, recebendo no MOTELX a sua estreia portuguesa (como todos os filmes da competição). Um jogo frenético de gato e rato entre um detective e “pior pai do Mundo”, uma filha ressentida, o seu namorado, um polícia enganado e um bandido enraivecido que é também um comentário cáustico sobre as contradições da sociedade moderna russa.

O júri atribuiu ainda uma Menção Especial a “The Hole in the Ground”, do irlandês Lee Cronin, pela “precisão e controlo da atmosfera de suspense” e por “interpretações excecionais”.

“Midsommar” foi o filme escolhido pelo público nesta edição que contou com 26 filmes na secção Serviço de Quarto. Ari Aster, realizador de “Hereditary”, propõe-nos um filme de terror solar, que Jordan Peele crê ter usurpado “The Wicker Man” como o filme de terror pagão mais icónico de sempre. Foi a estreia independente mais bem-sucedida este ano nos EUA. Ari Aster foi o convidado especial do MOTELX 2019.