De que está à procura ?

Europa

Lisboa com o maior aumento europeu de preços de arrendamento

© DR

A CASAFARI, plataforma europeia de dados imobiliários, apresentou esta semana as conclusões do Relatório do Mercado Residencial para o 4.º trimestre de 2022, tendo por base todos os dados de imóveis online e registados na plataforma, num total de mais de 180 mil imóveis disponíveis online nas seguintes cidades: Lisboa, Paris, Milão, Madrid e Barcelona

Os preços de arrendamento registaram um forte crescimento devido a um défice de oferta generalizado. As rendas das cidades analisadas aumentaram em média 17,9% comparativamente ao período homólogo, à data de dezembro de 2022.

Lisboa lidera as subidas das rendas com um aumento de +36,9%, atingindo um valor de renda médio de 21€/m2, o mesmo preço médio de Barcelona. Paris, a cidade mais cara para arrendar, mostrou o crescimento mais modesto das rendas com +4,5% quando comparado com o período homólogo. As restantes cidades tiveram aumentos sólidos de dois dígitos desde dezembro de 2021, variando de +11,6% em Madrid, e +19,3% em Milão.

Em dezembro de 2022, Paris liderava o preço médio de arrendamento por metro quadrado, com 41€/m2, deixando para trás Milão (23€/m2), Barcelona (21€/m2), Lisboa (21€/m2) e Madrid (17€/m2).

Nas cidades observadas, os preços de venda entre 2021 e 2022 aumentaram em média 4,5%. A variação mais acentuada foi em Madrid, onde os preços subiram +8,1%, seguido de Lisboa com +7,1% e Barcelona com +6,6%. Apenas a cidade de Milão registou um crescimento modesto de +2,2%. Já em Paris, registou-se uma tendência oposta, com um decréscimo de -1,7%.

Em Dezembro de 2022, Lisboa apresentava preços médios de venda por metro quadrado de 4.947 euros, superiores a cidades como Madrid (4.009€/m2), Barcelona (4.208€/m2) e Milão (4.773€/m2). Paris mantém-se como a cidade mais cara com 4.947€/m2.

Os rendimentos brutos de arrendamento (rentabilidade de uma propriedade num ano) estão a aumentar nas principais cidades do Sul da Europa. O crescimento médio dos preços de arrendamento ultrapassou o crescimento médio dos preços de venda, levando assim a rentabilidade bruta nos mercados observados a crescer em média 0.58 pp, em 2022. Dado o contínuo crescimento das rendas e maior pressão sobre os preços de venda, há fortes razões para esperar que esta tendência continue em 2023, com o setor residencial a oferecer perfis de rentabilidade mais atraentes.

Em dezembro do ano passado, Barcelona acumulou a maior percentagem de rentabilidade bruta com 5,9%. Milão atingiu 5,7%, Lisboa 5,2%, Madrid 5,0% e Paris 3,9%.

No que respeita a previsões para 2023 no arrendamento, o défice de oferta estrutural existente continuará a impulsionar o crescimento das rendas na maioria das principais cidades em 2023. Não se prevê que esta situação seja atenuada por outros fatores, tais como o custo crescente do financiamento e a redução dos preços das casas, o que encoraja ainda mais uma solução de arrendamento a longo prazo.

Do lado da venda, espera-se que os preços futuros das habitações estagnem ou caiam ligeiramente em 2023.

O grau de correção dos preços nos diferentes mercados de habitação dependerá dos padrões históricos de crescimento, da acessibilidade atual e da estrutura da oferta. Volumes de transação mais baixos irão provavelmente precipitar a correção de preços uma vez que os vendedores são lentos a ajustar as expectativas e o mercado repõe o atraso de meses.

Apesar dos preços da habitação possivelmente mais baixos, prevê-se que a opção de arrendamento a longo prazo continue a crescer como uma alternativa popular.

Em 2023 estima-se que os preços de arrendamento aumentem em toda a Europa, enquanto que os preços para compra de habitação deverão estabilizar ou cair ligeiramente em 2023, ao analisar Lisboa, Madrid, Barcelona, Paris e Milão.

TÓPICOS