De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Leitura irrequieta e irresoluta

Adoro ler, ando sempre com livros, revistas e jornais debaixo do braço ou dentro da mochila ou da bolsa. Leio em qualquer parte, na praia, numa esplanada de café, à beira-mar, à beira-rio, à beira-lago, num banco sossegado na orla de uma floresta…

Mas, quando é aqui por casa, prefiro ler deitado no confortável sofá da sala. O problema é que, assim refastelado, não posso tirar notas. Então mudo-me para a escrivaninha, no escritório, afasto o laptop, as faturas, as lapiseiras desarrumadas, os papéis caóticos, e instalo-me.

Quando sentado no escritório passo pelos artigos e não vejo nada digno de registo para guardar na sebenta. Passados uns minutos, doem-me as costas da posição desconfortável ou da cadeira desengonçada, reconsidero, pego nas revistas e nos jornais e volto à sala. Escolho uma posição cómoda mas, após folhear novamente as mesmas páginas, encontro logo ali uma reflexão interessante, uma frase bem escrita, uma expressão bem formulada, quero apontar e o caderno de notas ficou no escritório.

Volto ao escritório, aponto a frase, trago o bloco-notas comigo para a sala, mas assim deitado não dá mesmo jeito nenhum para tirar apontamentos, e as canetas entram em greve assim que as ponho a fazer o pino. Regresso ao escritório mais uma meia-dúzia de vezes, aproveito a desculpa para voltar a encher a minha chávena de café, para ir à casa-de-banho, para ver se lá fora já chove, se o Outono começou mesmo, e nisto faço umas incontáveis idas e voltas da sala ao escritório. Quem disse que ler era uma atividade tranquila?

Às tantas fico franca e fisicamente cansado, já não me doem só as costas, doem-me também as pernas, e o excesso de reabastecimento em cafeína está a pôr-me demasiado nervoso para ficar simplesmente tranquilo e a ler.

Vou voltar a fazer como fazia dantes: vou dobrar os cantos das páginas das revistas, dos jornais e dos livros que me chamaram a atenção, para apontar mais tarde… o que nunca acontece, porque entretanto a vida continua.

JLC29092012

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.