De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

Laboratório sino-português dedicado ao património cultural

A Universidade de Soochow, no leste da China, inaugurou o Laboratório Conjunto China-Portugal das Ciências de Conservação do Património Cultural, uma parceria com a Universidade de Évora e a Universidade Cidade de Macau.

Num comunicado, a universidade sublinha que o laboratório faz parte da iniciativa chinesa Uma Faixa, Uma Rota e foi incluído em setembro pelo ministério chinês da Ciência e Tecnologia numa lista de projetos prioritários de cooperação internacional.

O laboratório funcionará em rede, com as três universidades a colaborar em projetos que vão desde o digital à conservação preventiva e sistemas de manutenção, disse à Lusa António Candeias, vice-reitor da Universidade de Évora.

Uma das missões é a investigação em materiais históricos e novas tecnologias, disse o diretor do novo laboratório, Wu Yongfa, incluindo técnicas de reabilitação virtual do património cultural.

Assim que a pandemia de covid-19 permitir, o laboratório Hércules da Universidade de Évora, dedicado às ciências do património, irá enviar um laboratório móvel para realizar campanhas na China continental, revelou António Candeias.

Além de dar formação a investigadores chineses, as três universidades pretendem criar mestrados e doutoramentos conjuntos, acrescentou o académico, que já foi diretor do laboratório Hércules.

O laboratório pretende desenvolver projetos de conservação e programas de investigação e formação em conjunto com autoridades e instituições da China continental, Macau e Portugal, confirmou a Universidade de Soochow.

O acordo que levou à formação do laboratório foi assinado em 06 de novembro e é válido por cinco anos.

A ligação à universidade da cidade de Suzhou, que fica perto de Xangai, surgiu através de uma parceria já existente entre a Universidade de Évora e a Universidade Cidade de Macau, disse António Candeias.

A instituição de Macau vai financiar uma cátedra dedicada ao desenvolvimento sustentável do património cultural em Évora, enquanto a universidade portuguesa vai ajudar a abrir e a montar em Macau um laboratório instrumental afiliado ao laboratório Hércules, num projeto que recebeu financiamento da Fundação Macau. (ESCLARECE QUE A CÁTEDRA ESTÁ SEDIADA EM ÉVORA E NÃO EM MACAU)

A deslocação de um investigador português para começar a montar o laboratório na Universidade Cidade de Macau foi adiado para janeiro ou fevereiro devido à pandemia de cocid-19, lamentou António Candeias.

#portugalpositivo