De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Jogo do dia Euro 2016: Polónia-Portugal

Aguardava desta vez, e penso que a generalidade dos portugueses também, um jogo mais desafogado da nossa seleção, não pela Polónia ser fácil, longe disso, mas sim porque Portugal tem qualidade para bater qualquer equipa estando num dia bom e, de facto, até esta fase da competição esse dia ainda não chegou. Que chegue na final.

Num jogo que começou da pior maneira para a seleção, com uma má abordagem de Cedric, o único erro do lateral numa grande exibição, ao falhar a intercepção ao lance e na sequência do cruzamento Lewandowski a encostar para o 1-0 onde a equipa nacional voltou a falhar uma transição, com Eliseu e William a chegarem tarde na ajuda aos centrais portugueses.

Muitos mexidas táticas nos primeiros 20 metros até acertarmos definitivamente com Renato à direita e João Mário à esquerda, tal como tinha previsto antes da partida. De facto Portugal começou com um losango no meio campo mas depressa Fernando Santos percebeu que tinha que bloquear os corredores. Chegamos muitas vezes tarde ao portador da bola o que nos fez correr um pouco errado antes deste acertar de posições.

A partir daí começou a aparecer Renato a desequilibrar, e surgiu também o golo do empate numa notável jogada do menino tabelando com Nani e rematando para o fundo da baliza polaca. De registar ainda o penalty claro não assinalado sobre CR7 uns minutos antes do golo de Renato Sanches. Isto numa primeira metade onde os polacos tiveram algumas saídas para o ataque com perigo.

A segunda parte viria a trazer mais mexidas no sistema tático, demasiadas no meu entendimento.

Portugal voltou a começar num 4x1x4x1 com Renato por dentro ao lado de Adrien e Nani e João Mario a fecharem os corredores com Ronaldo sozinho na frente; ele que fez uma exibição de grande sacrifício, não estando no entanto feliz na finalização, sobretudo quando não conseguiu responder a um grande passe de Moutinho nos minutos finais.

A Polónia foi perdendo um pouco de fulgor físico, a sua grande arma, no entanto demonstrou algum trabalho sobretudo em algumas combinações ofensivas. Após a entrada de Moutinho para o lugar de Adrien, aquele trouxe mais estabilidade ao jogo português. Renato foi novamente para os corredores, onde Nani dava ajuda em termos defensivos. Esta seleção parece-me muito realista e ciente dos seus objetivos, onde todos estão a lutar pelo mesmo.

O prolongamento passou a voar e rapidamente deu lugar às grandes penalidades, onde Portugal foi grande, enorme e competente, grande parada de Rui Patrício e todos os penaltys batidos de forma exemplar, com Quaresma a marcar o penalty decisivo.

Destaco Pepe: exibição monstruosa com 10 recuperações, 6 intercepções, 3 bloqueios, 4/6 duelos de cabeça. Renato Sanches esteve também ele em grande nível com 12 recuperações. Nos polacos Krychowiack com 103 passes, Lewandowski com 9 remates, Blasczykowski com 13 recuperaçoões e Glik com 9 cortes de cabeça.

Estamos na luta.