De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

INFARMERD

Assim de um modo geral devo dizer que, ainda que sejamos um país de brandos costumes (não somos nada… fomos!), as condições sócio económicas propiciam os arranjinhos, as alcavalas e a corrupção, porque não dizê-lo sem eufemismos!

Como se tem presenciado, isto é todos os dias e transversal a todos os sectores, a altos cargos e instituições e quase todos os povos se não for população desfavorecida. Estes do pouco que tenham, não podem tratar desses arranjinhos nem têm por onde lhes pegar – pelo contrário – são prejudicados porque não têm caminhos ínvios, mas sobretudo, porque não tendo as condições mínimas, não têm possibilidades de consumir o essencial, e as respectivas entidades não tomam isso como um carência, antes como um encargo que não têm, logo conta para nada.
Pronto! Isto fica dito.

Agora cabe-me dizer que pretenderia perorar há muito acerca do caso – que casão! – não – que condomínio, INFARMED. Se desde a primeira hora se me apresentou como um fogacho, como dias agora Rui Rio, entendi que era mesmo um disparate que ia ter exactamente este desfecho. Mas calei-me. Calei-me para não fazer ondas. E como o mar está revolto, eu continuaria sem perorar o assunto, até que nas últimas horas pensei que seria difícil deixar fugir este casão. Exactamente por questões de saúde, não o fiz e tanto desejava – já – fazê-lo, para não deixar de ser original, mas não pude mesmo. Venho agora assim, sem a tal originalidade, mas com o pedido que me concedam o perdão por não o ter feito e sobretudo rogo que me concedam o benefício da dúvida de que a minha opinião não é forçada por esta agitação marítima! Ou se calhar de rio. Sim. De Rio que acordou agora para a sua governação do PSD e fá-lo com voz grossa a parecer convicto, para que no seu Partido entendam que está mesmo empenhado no seu múnus de liderar o Partido.

Assim, devo dizer que do modo como nasceu a ideia governamental de transferir o INFARMED para o Porto, como prémio de consolação por a Agência Europeia do Medicamento não vir para a Invicta, se viu que não era processo aceitável. Como vinham centenas de trabalhadores para o Porto!? Onde meteriam aqueles trabalhadores? Porquê naquela altura e com tanta pressa e sem as devidas reflexões?! Honestamente: pensei logo que Costa e Adalberto estariam a cometer uma enorme ingerência… mas ‘tá bem…

O processo continuou como a quem realmente interessava teve oportunidade de aquilatar a dimensão do disparate, a culminar com o senhor doutor Adalberto vir dizer que as condições políticas não eram as mesmas e tal… e que agora – o que sempre fora previsível – tinha mesmo que ficar em águas de bacalhau.

O doutor Costa até é um homem inteligente e movimenta-se bem em determinados caminhos – muita gente antagonista, que não radical, reconhece-o, mas o Primeiro fez ali um erro inqualificável. E se é certo que estas coisas desgastam o Governo, também é verdade que a Oposição mesmo que à nora, aproveitará estes deslizes a esmo para mais ou menos dignamente, mais ou menos correctamente – porque se submetem a políticas ínvias, vão mesmo fazer queimar alguma instabilidade governamental com interferência nas imediatas eleições.

É claro que aqui nem a senhora dona Cristas tem muita artilharia para usar. As bombas que lançar têm o feito bumerangue – mas ágil e astuta como é, vai tentar fazê-lo à saciedade, – não digo à beça nem a esmo, porque a saciedade é termo mais objectivo -, apenas pelo deslumbramento (que já tenho falado) de que habitualmente de se locupleta e daí não aproveita muito.

(Não pratico deliberadamente o chamado Acordo Ortográfico).