De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Europa

Hoje em Cracóvia há uma LusoFesta

O Departamento Nacional da Pastoral Juvenil (DNPJ) promove hoje em Cracóvia uma ‘LusoFesta’, o encontro dos portugueses durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), na Polónia, com a presença da fadista Cuca Roseta.

Em entrevista à Agência ECCLESIA, o padre Eduardo Novo, diretor do DNPJ, explica que ‘LusoFesta’, é uma participação “que muito privilegia e alegra” por apresentar a música como “arte de bem combinar os sons e a espiritualidade”.

O encontro dinamizado pelo organismo da Igreja Católica em Portugal, à margem do programa oficial da JMJ 2016, pretende ser um “momento forte” de reflexão a partir de uma mesa-redonda com “jovens de diversas dioceses” a testemunhar como é que hoje “vivem as Bem-Aventuranças, as Obras de Misericórdia”.

“Gestos concretos, ações concretas para nos ajudar a compreender a missão de cada um. A nossa vida, vivida e envolvida na relação com os outros, com o dinamismo da nossa fé”, acrescenta o diretor do DNPJ.

Na ‘LusoFesta’ vão participar jovens das 21 dioceses, dos movimentos juvenis e os seis bispos portugueses que vão à JMJ 2016, a partir das 14h30 (menos uma em Lisboa).

O objetivo do encontro é festejar a “alegria da fé na expressividade na língua” portuguesa e “na expressividade, na vivência que mantém unidos, fortalece”.

“Efetivamente, este encontro ajudar-nos-á a refletir e também a programarmos e projetarmos o nosso caminho como Igreja em Portugal”, observa o padre Eduardo Novo, sobre “uma grande festa, um grande encontro” para o qual convida também “todos os portugueses” que estejam a viver na Polónia.

A 31.ª Jornada Mundial da Juventude tem como tema ‘Bem-aventurados os misericordiosos, porque encontrarão misericórdia’ e segundo o DNPJ conta com a participação de cerca de sete mil jovens portugueses, a 9ª maior delegação presente na Polónia, entre os mais de 350 mil inscritos, oriundos de 185 países e territórios.

Para o padre Eduardo Novo, numa JMJ existe uma “transformação cultural, uma transformação na vida de cada um” através de uma experiência de “uma beleza difícil de expressar” e frisa que a “riqueza intercultural” partilhada é sinal de “fraternidade, de construção do mundo”, um sinal de construção “de si mesmos nos valores, na educação, na formação”.

“As nossas paróquias precisam do nosso compromisso, da nossa disponibilidade. É isto que nos transforma como seres cristãos e até como portadores de um sentido diferente de missão, olharmos para a vida com sentido de missão e de compromisso”, referiu.

O diretor do Departamento Nacional da Pastoral Juvenil constata que os jovens “assumem” a sua responsabilidade e “não deixam de surpreender pela alegria, pela aventura, pela sua coragem e determinação”.

A JMJ teve início esta terça-feira com uma Missa no Parque Blonia de Cracóvia, com a participação de centenas de milhares de pessoas.

O Papa Francisco chega hoje à Polónia para a 15ª viagem internacional do pontificado e vai presidir aos atos conclusivos desta festa mundial dos jovens católicos que decorre até domingo.