De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Comunidades

Exército minimamente preparado para retirar portugueses da Venezuela

O Chefe do Estado-Maior do Exército, general Nunes da Fonseca, afirmou que houve uma “preparação mínima” para o caso de haver uma decisão política de retirar portugueses e lusodescendentes da Venezuela.

“É uma decisão obviamente política. Os militares cumprem as diretivas emanadas pela política. Houve, na sequência dos desenvolvimentos na Venezuela, uma preparação mínima relativamente a uma eventual intervenção mas esse cenário, neste momento, não está colocado em cima da mesa”, afirmou, no final de uma audiência com o presidente do parlamento madeirense.

José Nunes da Fonseca está a realizar a sua primeira visita à Madeira desde que assumiu o cargo em outubro passado.

Depois de se ter reunido com Tranquada Gomes, manteve uma segunda audiência com o Representante da República na região, o juiz conselheiro Ireneu Barreto.

O general recusou-se a comentar a polémica em redor do caso de Tancos, alegando que “está no domínio da justiça”, e reconheceu que a visita à região serve para “conhecer o dispositivo do Exército na Madeira e prestar tributo e reconhecimento por tudo que está aqui a ser feito”.

De acordo com Nunes da Fonseca, nas competências atribuídas ao Exército, na região, a missão está a ser cumprida.

“Motivar e reconhecer que a Região Autónoma da Madeira, através da sua componente militar, no Exército, está a cumprir muito bem a missão que lhe incumbe em prol dos portugueses”, disse.

Questionado sobre a importância da Zona Militar da Madeira no todo nacional, o CEME respondeu que o Exército responde “no apoio à melhoria e bem-estar das populações”.