De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

Ex-governador de Macau: Portugal pode fazer mais com a China

O último governador português de Macau defende que Portugal deve ter mais presença na China e que, apesar de algum “vazio” após transição da administração, o território pode ser um polo de desenvolvimento de interesses portugueses.

“Nós somos capazes de fazer muita coisa. O mercado chinês é grande e difícil, mas temos de ter maior presença, e de apoio também, na China”, disse Vasco Rocha Vieira em entrevista à Lusa, a propósito do 20.º aniversário da transferência da administração de Macau para a China, que se celebra no próximo dia 20.

Para o general, que foi o último governador de Macau, “seria bom” Portugal investir na China, apesar de, nos últimos tempos, Lisboa não ter tido “grande possibilidade de o fazer, por muitas razões”.

“Porque temos um bom entendimento, somos respeitados e, portanto, é uma questão de iniciativa e de capacidade das nossas empresas”, para avançar, referiu.

“Temos hipótese de entrar por via Macau ou sem ser por via Macau. Pela experiência que tenho (…) sempre com parcerias chinesas, que é importante neste país como em outro qualquer”, defendeu.

“A partir de Macau essas parcerias são mais fáceis. E a partir de Macau para dentro da China”, considerou.

Mas lembrou que Portugal também já tem algumas posições em Xangai e Pequim: “Seja onde for, a presença portuguesa é entendida sempre com uma presença amiga”, e a confiança que existe deve ser construída “todos os dias” porque “não sai por decreto”.

Para Rocha Vieira, Portugal pode “beneficiar do grande crescimento da China”, quer pela relação que teve com Macau, e com aquele país em geral, quer porque naquele território continuam a viver portugueses, com “a nossa memória e o nosso conhecimento”.

Além disso, a administração portuguesa deixou “boas condições para a legitimidade dos portugueses viverem em Macau”, salientando o enquadramento legal do território.

Por isso, “Macau pode ser um polo de desenvolvimento dos nossos interesses portugueses naquela zona”, afirmou, lamentando que a TAP tenha deixado de voar para o território.

Há 20 anos, “havia uma corrente de pessoas” que diziam: “Temos que fazer uma transferência digna” e depois “acabou-se e fechou o ciclo”.

Mas o que a administração de Portugal entendeu foi que “o fecho do processo de transição era a abertura de um novo ciclo”, recordou. Agora, passados vinte anos sobre a transição, Rocha Vieira considera que “isso já foi entendido, com algum atraso”.

“Quando a China criou o Fórum da Cooperação Económica e Comercial para os Países de Língua Portuguesa”, Rocha Vieira lamenta que Portugal não tenha tido a perceção de poderia ter sido “praticamente co-chairman” do projeto.

Para o ex-governador de Macau, naquele fórum Portugal é “o único país que teve relações com a China” e, ao mesmo tempo, é o elemento de ligação diplomática e histórica com os países africanos de língua portuguesa.

“Se tivéssemos uma posição mais dinâmica (…) provavelmente o fórum também faria hoje muito mais, graças à nossa participação”, defendeu.

Lembra, porém, que no momento em que se deu o processo de transição de Macau para a China, “Portugal estava mais preocupado com África e em restabelecer as relações que tinha tido, e que com o processo de descolonização se alteraram um pouco”.

E, naquele contexto, “Macau era a segunda prioridade (…) e não houve a perceção de que a China ia ter este desenvolvimento”.

Rocha Vieira conta que quando Deng Xiaoping fez uma visita de Estado à província de Cantão, em 1992, “estava a dar um grande sinal ao mundo de que ali ia ser o grande polo de desenvolvimento” do país.

“De Macau dissemos isso para Lisboa, mas Lisboa estava preocupada com outras coisas, o que é compreensível”, referiu o antigo governador.

O ex-governador também lembrou que, durante o tempo da administração portuguesa havia muitas empresas portuguesas em Macau, às quais se dizia para que criassem laços e parcerias chinesas, para ficarem depois da transição. Mas muitas não o fizeram.

Hoje “temos de aprender com os erros e não desperdiçar oportunidades”, disse.

Em relação a Macau, quando questionado sobre o que ainda podemos fazer no território nos próximos 30 anos que nos restam de período de transição, Rocha Vieira salientou que “importa que [o território] não seja descaracterizado”.

“É uma opinião minha e não são sugestões, mas haver uma grande integração de pessoas da China em Macau – que já tem uma densidade imensa – tem que ser feita de maneira a que essa identidade não se perca”, afirmou.