De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Motores

Edfor: um carro desportivo português dos anos 30

O seu nome é Edfor Grand Sport e o seu número de matrícula NT-10-68. Foi pensado e construído pela clarividência e oportunidade de Eduardo Ferreirinha, piloto e industrial metalúrgico, nasceu em 1939, foi um dos quatro exemplares construídos entre 1937 e este ano e é o único sobrevivente, revela o site Antoandrive.

Exemplar por isso mesmo raro e de valor histórico, que continua na ilustre família Ferreirinha.

Eduardo Ferreirinha foi um visionário, com uma mente demasiado avançada para o seu tempo. Industrial metalúrgico e piloto de automóveis, então uma espécie de corajoso romantismo na vida, foi um dos pioneiros daquela que poderia ter sido uma grande indústria nacional: a indústria automóvel, desde cedo desde sempre asfixiada definitivamente pela miopia do chamado Estado Novo. Criou vários carros de competição, mas o seu “ex-libris”, aquele que o fez entrar a pequena lenda nacional, foi o Edfor.

O Edfor foi apresentado oficialmente no Salão Automóvel do Porto, em Abril de 1937 e desde logo concitou todas as atenções dos milhares de visitantes. Não só porque era um dos mais belos automóveis presentes na mostra, como era de total produção nacional.

edfor2

Na verdade, o Edfor foi a obra-prima de um artesão de excelência, Eduardo Ferreirinha, proprietário da EFI (Eduardo Ferreirinha & Irmão), onde há vários anos produzia artefactos metalúrgicos e, especialmente, veículos de competição, todos eles de conceção caseira e baseados em mecânica Ford. Com o Edfor, o industrial portuense queria dar o pontapé de saída para a comercialização em pequena série, algo até então nunca realizado em Portugal.

A imprensa da época não regateou elogios ao exemplar do Edfor presente no certame. E não era para menos. Inspirado nos Ford V8, monolugares de competição que Eduardo Ferreirinha tinha construído até então, o Edfor tinha umas linhas muito elegantes e belas, com a sua carroçaria de dois lugares totalmente feita em alumínio, pesando somente 150 quilos. O esqueleto do Edfor era feito numa liga especial de alumínio fundido, tipo de construção inédito, enquanto os guarda-lamas eram 100% aerodinâmicos e de “design” elegante e torneado. Também as linhas do para-brisas eram de uma conceção nova e igualmente feitas a pensar na menor resistência ao ar.

Entre 1937 e 1939, foram construídos quatro exemplares, mas os registos atuais apenas indicam duas matrículas: o primeiro, RP-10-30, que teve bastante sucesso nas pistas nacionais; e o que terá sido o último, de 1939, NT-10-68, cujo palmarés é mais modesto, mas que é hoje o único que se mantém em perfeitas condições originais – e, felizmente, está na família Ferreirinha desde 1955, quando jovem Eduardo, filho do fundador, o descobriu por acaso, quando era militar no quartel de Santa Margarida, ao pé de Abrantes e o viu passar na parada do quartel, com um sargento ao volante. O jovem militar perseguiu-o na estrada do Tramagal e, feita a abordagem, soube que era pertença de Rui Duarte Ferreira, também industrial e piloto, que aceitou vendê-lo, mas apenas por saber que ficaria nas mãos de quem o tinha construído. Dos restantes, nada se sabe.