De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

Bispos brasileiros lamentam clima de ódio e violência

Os bispos católicos do Brasil emitiram uma nota sobre a segunda volta das eleições presidenciais no país, que vão ter lugar este domingo, para apelar ao fim das polémicas que têm antecedido a ida às urnas.

No documento, publicado online, aqueles responsáveis apelam “a que se deponham armas de ódio e de vingança que têm gerado um clima de violência, estimulado por notícias falsas, discursos e posturas radicais, que colocam em risco as bases democráticas da sociedade brasileira”.

Os membros da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lembram ainda que as “eleições são ocasião de exercício da democracia que requer dos candidatos propostas e projetos que apontem para a construção de uma sociedade em que reinem a justiça e a paz social” e onde não caiba a “sonegação e corrupção”.

No âmbito deste ato eleitoral, a Igreja Católica no Brasil tem procurado o diálogo com os vários candidatos, com destaque para os dois favoritos à vitória nas urnas, Jair Bolsonaro, que concorre pelo Partido Social Liberal, e Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores.

Ao mesmo tempo, a página da CNBB tem publicado artigos de opinião de vários bispos, sobre as eleições presidenciais.

Os bispos brasileiros esclarecem que “ao assumirem posicionamentos pastorais em questões sociais, económicas e políticas, o fazem não por ideologia mas pela exigência do Evangelho que manda amar e servir a todos, preferencialmente os pobres”.

Neste contexto, recordam, têm sido “inúmeros os testemunhos de bispos que, na história do país, se doaram e se doam no serviço da Igreja em favor de uma sociedade democrática, justa e fraterna”.

Os responsáveis católicos, ligados ao Conselho Episcopal Pastoral da CNBB, concluem a nota com votos de que estas eleições representem um caminho de  “reconciliação” para a sociedade brasileira.

“Cabe à população julgar, na liberdade de sua consciência, o projeto que melhor responda aos princípios do bem comum”, completam os membros da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

O documento é assinado pelo presidente da CNBB e arcebispo de São Salvador, D. Murilo Krieger, também pelo vice-presidente D. Guilherme Werlang, bispo de Lajes, e pelo secretário-geral da CNBB, D. Leonardo Steiner, bispo auxiliar de Brasília.