De que está à procura ?

Portugal

Arouca toma medidas para proteger as suas árvores

A Câmara de Arouca está a recolher contributos públicos para redigir um Regulamento Municipal de Gestão do Arvoredo em Meio Urbano, com o que se propõe identificar árvores protegidas e definir técnicas e ciclos de manutenção.

Segundo fonte dessa autarquia do distrito de Aveiro, a iniciativa visa recolher dados e recomendações que permitam elaborar uma listagem mapeada de árvores relevantes do território, o que incluirá algumas já classificadas como de interesse público ou municipal, e poderá alargar-se a outras que também se revelem de pertinência histórica local.

Os contributos de moradores, profissionais ligados ao urbanismo e natureza e outros interessados deverão ser enviados para a Câmara até às 17:30 do dia 11 de fevereiro, após o que serão analisados para eventual inclusão no regulamento – cuja criação já foi aprovada pelo executivo camarário e seguirá depois para a assembleia municipal.

“Este trabalho é essencial para a gestão e o planeamento do nosso território, e reveste-se da maior importância numa altura em que a sustentabilidade ambiental, a preservação de espécies e a biodiversidade são prioritárias para assegurar qualidade de vida às próximas gerações”, declara à Lusa a presidente da autarquia, Margarida Belém.

Uma vez concluído, o regulamento em causa vai, por exemplo, identificar os ciclos de manutenção do arvoredo e as normas técnicas para a sua implantação e manutenção, assim como definir as regras operacionais para a conservação das espécies abrangidas e para o fomento de novas zonas verdes.

O documento incluirá ainda a listagem completa, com o respetivo mapa, das árvores de Arouca classificadas como de interesse público ou municipal, assinalando também as que devam passar a receber idêntico estatuto.

“Felizmente, e tirando algumas situações de ramos caídos na sequência de temporais de outono, não temos registado quaisquer problemas com quedas de árvores ou exemplares em risco, seja para as próprias espécies seja para bens e pessoas. Também não prevemos, por enquanto, qualquer abate de árvores. Tal só ocorrerá caso se preveja tal situação no Inventário Municipal do Arvoredo em Meio Urbano, que também se vai criar para inclusão no regulamento”, conclui Margarida Belém.

TÓPICOS