De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Colunistas

Alguém sabe?

Não sei se se lembram de há 45 anos, mas eu cresci com a liberdade em todas as paredes, a vermelho, gaivotas nos lábios e a poesia na rua.

Sei agora que era muito encenado e os que a promoviam queriam ditar as cores dos meus dias.

Mas ficou a liberdade, que não tem cor, é límpida e cristalina, sem ses nem mas. Integral, una e inegociável.

É nas acções que se corrompe, nunca nas palavras.

Quem age contra palavras não promove a liberdade. Só as acções podem corromper a liberdade.

A liberdade não pertence a um colectivo, pertence a cada um desde que nasce. Apenas outros lha podem subtrair. Só pode ser negociada por aquele, único, a quem pertence.

Agora vou dar uma volta com os animais da casa.

Está uma noite linda e clara. Esta noite não volta. Sei lá do amanhã. Alguém sabe?

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.