De que está à procura ?

Europa

Zelensky na abertura do festival de Cannes

© DR

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, defendeu esta terça-feira que é necessário “um novo Chaplin para provar que o cinema não é mudo” diante da guerra na Ucrânia, numa mensagem de Kiev transmitida na abertura do 75.º Festival de Cannes.

“Vamos continuar a lutar, não temos outra escolha (…) Estou convencido de que ‘o ditador’ vai perder”, declarou Zelensky perante a nata do cinema mundial, referindo-se ao Presidente russo, Vladimir Putin, e ao filme “O Grande Ditador” de Charlie Chaplin, que mencionou várias vezes.

A sua aparição, via vídeo, na sessão inaugural do certame, causou surpresa na sala e uma ovação do público, após a qual o Presidente ucraniano denunciou as atrocidades da guerra da Rússia na Ucrânia e apelou ao mundo do cinema para não se remeter ao silêncio.

“O cinema vai calar-se ou falar dela (da guerra)?”, perguntou. “Precisamos de um novo Chaplin para nos provar hoje que o cinema não é mudo (…) O ódio acabará por desaparecer, os ditadores morrerão”, acrescentou, em tom grave.

No início de abril, Zelensky tinha já intervindo na 64.ª edição dos Grammys, os prémios norte-americanos da música, para pedir ajuda para o seu país.

O Festival de Cannes, cuja 75.ª edição esta terça-feira começou, prometera que a Ucrânia estaria “nos espíritos de todos” ao anunciar, durante o mês de abril, a programação, para a qual foram selecionados vários filmes do país.

Duas gerações de cineastas ucranianos estarão representadas, com o ‘habitué’ Sergei Loznitsa, que traz “Tha Natural History of Destruction” (“A História Natural da Destruição”, em tradução livre), sobre a destruição das cidades alemãs pelos aliados durante a Segunda Guerra Mundial, e com o jovem Maksim Nakonechnyi, com “Bachennya Metelyka” (“Visões de Borboletas”), que será exibida fora de competição, na mostra paralela ‘Un Certain Regard’.

O certame adicionou à última hora a apresentação de “Mariupolis 2”, o último filme do realizador lituano Mantas Kvedaravicius, morto no início de abril na Ucrânia.

TÓPICOS