De que está à procura ?

alemanha
Lisboa
Porto
Berlim, Alemanha
Mundo

Um ano e meio depois sabe-se quais são as melhores máscaras anticovid

No último ano e meio, os investigadores produziram muitas evidências laboratoriais sobre a eficácia das máscaras. Para muitas pessoas, é compreensível que seja difícil acompanhar o que funciona e o que não funciona.

Recentemente, um ensaio clínico testou a eficácia do uso de máscaras. O estudo ainda não foi revisto por pares, mas foi bem recebido pela comunidade médica. O que os investigadores descobriram fornece evidências que confirmam estudos anteriores: o uso de máscaras, especialmente máscaras cirúrgicas, previne a covid-19.

Durante a pandemia do coronavírus, o foco tem sido as máscaras como forma de evitar que pessoas infetadas contaminem o ar ao seu redor. Evidências laboratoriais recentes sustentam esta ideia.

Em abril de 2020, cientistas mostraram que as pessoas infetadas com um coronavírus — mas não com o SARS-CoV-2 — exalaram menos RNA do coronavírus no ar ao seu redor se usassem uma máscara. Uma série de estudos laboratoriais adicionais também corroboraram a eficácia das máscaras.

Um estudo observacional publicado no final de 2020 analisou dados demográficos, testes, confinamentos e uso de máscara em 196 países. Os investigadores descobriram que, depois de controlar outros fatores, os países com normas culturais ou políticas que apoiavam o uso de máscara viram a mortalidade per capita por coronavírus aumentar apenas 16% durante os surtos, em comparação com um aumento semanal de 62% em países sem normas de uso de máscara.

Estudos laboratoriais, observacionais e de modelagem têm sustentado consistentemente o valor de muitos tipos de máscaras. Mas essas abordagens não são tão fortes quanto os ensaios clínicos aleatórios em grande escala entre o público em geral, que comparam grupos após a intervenção ter sido implementada em alguns grupos selecionados aleatoriamente e não implementada em grupos de comparação.

De novembro de 2020 a abril de 2021, uma equipa de investigadores em estreita colaboração com parceiros do governo de Bangladesh e da organização sem fins lucrativos Innovations for Poverty Action, conduziu um estudo aleatório em grande escala no Bangladesh.

Os objetivos eram aprender as melhores maneiras de aumentar o uso de máscara sem que fosse obrigatório, compreender o efeito do uso da máscara na covid-19 e comparar as máscaras de tecido e as máscaras cirúrgicas.

O estudo envolveu 341.126 adultos em 600 aldeias na zona rural de Bangladesh. Em 300 aldeias não foi promovido o uso de máscara e as pessoas continuaram a usar máscara, ou não, como antes. Em 200 aldeias, o uso de máscara cirúrgica foi promovido e em 100 aldeias foi promovido o uso de máscara de pano.

Ao longo de oito semanas, a equipa distribuiu máscaras gratuitas, forneceu informações sobre os riscos da covid-19 e o valor do uso de máscara. Também trabalharam com líderes comunitários e religiosos para promover o uso de máscara e contrataram funcionários para andar pela aldeia e pedir educadamente às pessoas para usarem máscara.

A equipa à paisana registou se as pessoas usavam máscaras adequadamente sobre a boca e o nariz, de maneira inadequada ou não usavam de todo.

O uso de máscara mais do que triplicou, de 13% no grupo que não recebeu máscaras para 42% no grupo que recebeu. Curiosamente, o distanciamento social também aumentou 5% nas aldeias onde promoveram o uso de máscara.

Nas 300 aldeias onde foi distribuído qualquer tipo de máscara, foi observada uma redução de 9% na incidência da covid-19 em comparação com as aldeias onde não foi promovido o uso de máscara. Devido ao pequeno número de aldeias onde foi promovido o uso de máscara de pano, os cientistas não foram capazes de dizer se as máscaras de pano ou cirúrgicas eram melhores na redução da propagação da covid-19.

O estudo contou com uma amostra grande o suficiente para determinar que nas aldeias onde foram distribuídas máscaras cirúrgicas, a incidência de covid-19 caiu 12%. Nessas aldeias, a covid-19 caiu 35% em pessoas com 60 anos ou mais e 23% em pessoas com 50-60 anos. Ao observar sintomas semelhantes aos da covid-19, os cientistas descobriram ainda que as máscaras cirúrgicas e de pano resultaram numa redução de 12%.

Este estudo fornece fortes evidências de que as máscaras cirúrgicas reduzem a covid-19, especialmente em adultos mais velhos que enfrentam taxas mais altas de morte e invalidez se forem infetados.