De que está à procura ?

alemanha
Lisboa
Porto
Berlim, Alemanha
Colunistas

Páscoa em 2021

Esta é a segunda Páscoa confinada, com limitações e com inconvenientes fundamentais.

Vive-se prolongadamente a História da Paixão, na experiência da vida ameaçada e na espera de uma luz que se atrasa ou parece não querer chegar. A Páscoa traz uma dose de confiança como o Sol no amanhecer depois de uma noite talvez de insónias.

A falta de relacionamento com as pessoas e com a natureza leva à falta da ressonância do coração e do calor humano característico desta época, que muitas vezes se expressava no adro da vida na experiência especial do “Boas Festas Aleluia”!

É verdade que, com esta e com outras epidemias, surgem novos hábitos, mas a bênção divina continuará.

Páscoa é vida na Esperança, é a vitória da vida sobre a morte, sobre o transitório, é a vitória da luz sobre as trevas.

A ressurreição não é a continuação da vida anterior, mas uma transformação e mudança radical.

A Bíblia expressa essa experiência em imagens.

Temos a imagem do grão de trigo, da lagarta que se transforma em borboleta, temos a imagem das estações do ano, da alta e a baixa pressão atmosférica e psicológica que circunscrevem a vida e o clima.

Isto enquadra-se nas imagens que Paulo usava quando falava aos Coríntios constatando:

“Mas alguém pode perguntar: “Como ressuscitam os mortos? Com que espécie de corpo virão? ”

“Insensato! O que você semeia não nasce a não ser que morra.

Quando você semeia, não semeia o corpo que virá a ser, mas apenas uma simples semente, como de trigo ou de alguma outra coisa.

Mas Deus lhe dá um corpo, como determinou, e a cada espécie de semente dá seu corpo apropriado.

Nem toda carne é a mesma: os homens têm uma espécie de carne, os animais têm outra, as aves outra, e os peixes outra.

Há corpos celestes e há também corpos terrestres; mas o esplendor dos corpos celestes é um, e o dos corpos terrestres é outro.

Um é o esplendor do sol, outro o da lua, e outro o das estrelas; e as estrelas diferem em esplendor umas das outras.

Assim será com a ressurreição dos mortos. O corpo que é semeado é perecível e ressuscita imperecível;
é semeado em desonra e ressuscita em glória; é semeado em fraqueza e ressuscita em poder;
é semeado um corpo natural e ressuscita um corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual.” (1 Coríntios 15:35-44)

Valerá a pena ousar a esperança na Ressurreição ou, pelo menos, no milagre da mutação na natureza, uns e outros juntos, numa caminhada comum, mesmo que esta pareça demasiado curta.

Desejo para todos nós a energia da esperança e da confiança.

Boas Festas para todos, Aleluia!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=6412

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.