De que está à procura ?

alemanha
Lisboa
Porto
Berlim, Alemanha
Motores

KIA Ceed Plug-In Hybrid: consensual e menos poluente

À primeira vista, esta KIA Ceed Plug-In Hybrid é uma carrinha Ceed perfeitamente normal, não fosse o “badge” Eco Plug-In na bagageira e a tampa da zona de carregamento junto ao guarda-lamas esquerdo e podia ser perfeitamente uma versão diesel ou gasolina. Ser “normal” não é mau, ou não estaríamos a falar de uma carrinha recheada de “bom aspecto”. Felizmente, KIA Ceed não precisa de versões “GT” para ser agradável, é consensual e assenta bem em qualquer a tipo de pessoa, quer seja um jovem de 25 anos, quer seja um pai de família com 45, ou mesmo um senhor/a de idade avançada que precise de espaço para ir ao super mercado ou para passear com os netos. Falamos de um automóvel que é “sereno” q.b, mas que ostenta dinamismo nos pequenos detalhes, o que faz com que se adeqúe rapidamente a qualquer propósito. Tendo eu 25 anos, escolheria uma Ceed SW vermelha, uma cor que iria realçar todo o seu aspecto mais desportivo. Se quero passar “despercebido”, não há nada como um cinza prata ou uma cor mais escura. A KIA Ceed agrada por isto mesmo, o facto de não ser nem tanto ao mar nem tanto à terra.

A KIA Ceed PHEV está disponível numa única versão apelidada “Drive”, ou seja, tem tudo o que é necessário e mais alguma coisa. Equipamento não lhe falta! Começando pelo exterior temos ópticas full-led e farolins LED, faróis de nevoeiro, vidros traseiros escurecidos, chave mãos-livres, barras de tejadilho longitudinais, antena shark e jantes de 16 polegadas envolvidas em pneus 205/55.

Apesar de ser um modelo híbrido plug-in, a habitabilidade mantém-se e a acessibilidade também. A KIA Ceed facilita a entrada dos passageiros com uma abertura de portas generosa q.b. Uma vez no interior, há espaço para pernas, ombros e cabeça, mesmo para pessoas de estatura mais elevada, que circulem nos lugares traseiros. Na dianteira também se viaja de forma confortável, com assentos que têm apoio lombar e apoio para as pernas q.b, algo que se replica nos lugares traseiros. Há espaço de arrumação a bordo, com as bolsas das portas dianteiras a conseguirem albergar garrafas de água de tamanho generoso, há um bom apoio de braço central com espaço para guardar objectos e ainda um porta-copos que facilmente vê a sua função substituída pelo armazenamento de mais objectos diversos: chaves, carteira, etc. Não podiamos deixar de falar de um equipamento que era “banal” e que está cada vez mais em “vias de extinção”, as bolsas atrás dos assentos dianteiros! A bagageira tem 437 litros de capacidade contra os cerca de 600 litros das versões térmicas.

O design no interior não é de todo o mais futurista ou elaborado, mas o aspecto conservador torna-se mais requintado com recurso a alumínios escovados, pretos brilhantes e pespontos nos assentos e tabliê, que ajudam a não “enjoar” com o passar dos anos. A qualidade percebida está ao nível do segmento, há materiais emborrachados acima do nível da cintura, nomeadamente no tablier e portas dianteiras e traseiras.

Equipamento não falta a esta versão única Drive, uma vez que nos brinda com ar-condicionado automático de dupla-zona com saídas da climatização para os lugares traseiros, sistema de ajuda ao arranque em subida, cruise control e limitador de velocidade, câmara de ajuda ao estacionamento traseiro, retrovisor interior electrocromático, entradas USB e AUX, sensores de chuva e luminosidade, travão elétrico de estacionamento com função auto-hold, controlo por voz, painel de instrumentos em ecrã TFT de 4,2 polegadas e sistema de navegação e multimédia em ecrã de 8 polegadas.

O sistema de navegação e multimédia desta Ceed PHEV é igual ao da restante gama KIA e adopta também as aplicações disponíveis em toda a gama electrificada da marca, falamos do fluxo de energia, histórico de condução, programação do carregamento, gráfico de desaceleração e aceleração, mostrador de quilómetros com consumo 0 e ainda estado da carga da bateria e autonomia. Este sistema de multimédia tem uma apresentação agradável q.b, um funcionamento intuitivo e está preparado para Android Auto e Apple CarPlay.

No painel de instrumentos há um computador de bordo que está presente num ecrã cujas dimensões não são surpreendentes, contudo, não é por isso que este computador de bordo não tem todas as informações necessárias e mais algumas, ousamos dizer que é dos mais completos do segmento e está perfeitamente adaptado a este sistema híbrido, revelando fluxo de energia, estado de carga da bateria e autonomia, tipo de condução, entre outros. O painel de instrumentos tem outra diferença face aos modelos térmicos, falamos do mostrador esquerdo que nos apresenta os regimes de aceleração e regeneração. Este mostrador é uma grande ajuda na condução ecológica e no aproveitamento dos sistemas híbridos, uma vez que conseguimos ver em “tempo real” se estamos num regime económico ou a regenerar.

Uma vez sentados no lugar do condutor temos uma visibilidade para os flancos dianteiros que podia ser melhor, uma vez que os pilares “A” se tornam grossos, devido à caixa afecta aos retrovisores. Contudo, a visibilidade para as laterais e mesmo para a traseira podia ser pior, uma vez que os Pilares “B” têm um tamanho standard e o pilar “C” é realmente fino. A visibilidade para a traseira sai prejudicada pela traseira mais elevada, ainda assim, esta carrinha pode muito bem ser das melhores do seu segmento neste campo.

A posição de condução é agradável e confortável, os comandos são ergonómicos, nomeadamente o volante que tem uma pega bastante desportiva, que nos oferece uma boa experiência de condução, infelizmente, peca pelo excesso de botões. Por outro lado, há botões que não são exactamente acessíveis, falamos do botão dos modos de condução e também do modo que nos permite realizar a comutação de tração híbrida para elétrica e vice-versa. Ao estarem colocados junto à alavanca de velocidades, só com o habito deixamos de ter de desviar o olhar da estrada para trocar o modo de condução ou para desligar ou ligar o modo totalmente elétrico.

O comportamento dinâmico da Ceed é exemplar, uma vez que este automóvel tem um chassi bastante equilibrado e uma configuração muito neutra de suspensões que transmitem conforto e feedback da estrada, a juntar a estes dois factores temos uma direcção comunicativa q.b, que nos ajuda a prever o comportamento desta KIA Ceed. Se a versão 1.0 T-GDI não é exactamente “saltitante”, esta versão PHEV com mais 200kg, faz com que a KIA Ceed se “abrace” à estrada de forma ainda mais intensa. A “ajudar à festa” temos uma suspensão traseira multilink com barra estabilizadora e amortecimento a gás, o que faz com que a sobreviragem seja praticamente “inexistente”, mesmo nas conduções mais empenhadas.

Debaixo do capô está um motor 1.6 litros a gasolina com 105cv às 5700rpm e 147Nm de binário às 4000rpm, auxiliado por um motor elétrico com cerca de 61cv e 170Nm de binário. Em conjunto debitam 141cv de potência e 265Nm de binário. Se a aceleração dos 0 aos 100km/h em 10,8 segundos ou a velocidade máxima de 170km/h não são realmente surpreendentes face às versões térmicas do mesmo automóvel, são as recuperações e os consumos que ditam a real mais-valia desta Ceed. Ultrapassar torna-se simples pela disponibilidade instantânea do motor eléctrico e os consumos arrancam sorrisos do rosto, principalmente quando fazemos questão de manter a bateria de tração carregada.

No nosso ensaio em modo híbrido, os consumos rondaram os 3,8 litros a cada 100 km, percursos mistos com e sem trânsito, em auto-estradas, estradas de serra e cidade. Se por acaso trabalha a 30km de casa e tem oportunidade de recarregar um veículo híbrido plug-in no trabalho, o seu consumo de combustíveis fósseis é zero, a sua carteira sorri e o ambiente agradece. A autonomia no modo 100% elétrico é de 50km (depende do pé direito, utilização de a/c, percurso, etc), para muitas pessoas é suficiente para circular diariamente em elétrico e a vantagem é que podemos ir de Lisboa a Trás-Os-Montes, sem termos que nos preocupar em encontrar um posto de carregamento pelo caminho.

Falando em carregamento, a KIA Ceed PHEV, pode ser ligada à rede elétrica em casa numa tomada convencional de 1,8kWh(8A), 2,3kW (10A) ou a uma de 3.3kWh para reduzir o tempo de carregamento a 2 horas e 15 minutos. A a bateria de tração da Ceed tem 8,9 kWh.

Na segurança a KIA Ceed PHEV vem equipada com aviso de fadiga do condutor, alerta de colisão frontal, máximos automáticos, sistema de manutenção na faixa de rodagem, entre outros. A KIA Ceed obteve as 5 estrelas nos testes Euro NCAP com 88% na protecção dos adultos, 85% na protecção das crianças, 68% na protecção de peões e 73% nas ajudas à condução.

MAIS CARROS EM CAR ZOOM