De que está à procura ?

alemanha
Lisboa
Porto
Berlim, Alemanha
Colunistas

Cenas do camandro

Sim, eu sei, já muita água correu debaixo da ponte desde que escrevi a minha última crónica, o mesmo poderá dizer Rui Rio desde que assumiu a liderança do PSD. Com um pouco de maestria e o líder do PSD poderia ter convencido o Presidente da República a indigitá-lo Primeiro-Ministro. Afinal, Rui Rio ficou em segundo lugar, tal como sucedeu a António Costa há quatro anos. Podem questionar: então e os parceiros de coligação? Fácil: a avaliar pela lavagem de roupa suja entre Catarina Martins e António Costa nos debates eleitorais, aposto que o Bloco facilmente se entenderia com o líder laranja ou não tivesse Rui Rio cara de quem fumou um charro antes do seu discurso na noite eleitoral. Só assim se pode explicar como é que ele conseguiu transformar uma pesada derrota numa estrondosa vitória! Ah e então com o PCP? Bastava a Rui Rio dizer a Jerónimo de Sousa que o Costa é feio e que iria fazer mais pela melhoria da qualidade dos serviços públicos do que fez o governo PS nos últimos quatro anos, o que, diga-se em abono da verdade, não seria lá uma tarefa muito difícil, pois não? E nome para esta coligação? Rabelogonça, já que se trata de navegar com um Rio nortenho. Seria uma cena do camandro!

Aqui mesmo ao lado, o Supremo Tribunal Espanhol condenou ontem em Madrid os principais dirigentes políticos envolvidos na tentativa de independência da Catalunha a penas que variam entre os nove e os treze anos de prisão. Tenho uma sugestão: Pessoal, querem mesmo a independência da Catalunha? Então peguem no Primeiro-Ministro espanhol (quando o tiverem, pois claro), subam com ele ao Palácio da Generalidade, na cidade de Barcelona, e defenestrem-no, ou seja, atirem-no janela abaixo! Pelo menos connosco resultou: livrámo-nos do domínio Filipino de uma vez por todas. Seria uma cena do camandro!
Os hotéis da Califórnia vão deixar de dar frascos de champô e gel de banho. Para quando a proibição do duche diário? Em nome do ambiente iremos todos viver num mau ambiente? Seria uma cena do camandro!

A ONU pode ficar sem dinheiro até ao final do mês, alerta António Guterres. Este sim, é um alerta bem mais grave do que o do aquecimento global: é que sem dinheiro não há viagens de jacto para o secretário-geral da ONU ir visitar os pobrezinhos pelo mundo fora. Deveria ele seguir, isso sim, o exemplo de Greta Thunberg, e fazer as suas viagens pelo globo de bicicleta ou de veleiro. Tempo tem de sobra: afinal a pobreza não vai acabar de um dia para o outro… há tempo… muito tempo. Seria uma cena do camandro!
Elisa Ferreira, antiga ministra socialista e ex-governadora do Banco de Portugal, foi nomeada Comissária Europeia para a Coesão e Reformas e já prometeu abster-se em decisões que envolvam o marido, Fernando de Sousa, que é presidente da CCDR-Norte, uma das entidades responsáveis pela aplicação de parte dos fundos comunitários no terreno. Ora vejamos: Uma mulher que promete não meter o nariz na vida do marido? Seria uma cena do camandro!

O Livre (não, não vou gozar com a gaguez da deputada Joacine Katar Moreira, pelo menos hoje) quer retirar a Educação Moral e Religiosa da escola pública. Mas pensando bem, até faz bastante sentido esta tradição cristã nas escolas públicas ou não fosse a tarefa de ensinar alunos cada vez mais indisciplinados e difíceis de aturar uma grande, grande, cruz! Deixo aqui um repto à Joacine Katar Moreira: Cara Joacine, experimente dar uma aula de história de 90 minutos a miúdos de uma escola pública e veja o que acontece. Aposto que seria uma cena do camandro (e, juro, nem me estou a lembrar sequer do facto de ela eventualmente poder vir a gaguejar no decurso da aula, juro mesmo que não)!

Para terminar, sugiro ao deputado do PAN, André Silva, que realize um curso de Biodanza com os seus colegas deputados da Assembleia da República para ver se estes, fruto das catarses purificadoras proporcionadas aos praticantes da biodanza, se tornam mais puros e desenvolvam a sua consciência ética, ou seja, deixem de ser uns sacanas que enganam os portugueses a torto e a direito em proveito próprio!

Isso sim, seria uma cena do camandro!