De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Publireportagens

9 de maio: OGBL celebra Festa do Trabalho e das Culturas

A Festa do Trabalho e das Culturas da OGBL vai ser celebrada pela 14a vez na Abadia de Neimënster, no Grund, na cidade do Luxemburgo, nesta quinta-feira, 9 de maio.

A festa acontece no dia mesmo dia do novo feriado que assinala o Dia da Europa já que, devido ao luto nacional decretado pela morte do grão-duque Jean, o evento foi adiado pela OGBL de 1 para 9 de maio.

A Festa do Trabalho e das Culturas é uma organização da OGBL, em colaboração com o centro cultural abadia de Neimënster, a ASTI (Associação de Apoio aos Trabalhadores Imigrantes) e a ASTM (Action Solidarité Tiers Monde).

Como recorda e bem o presidente nacional da OGBL, André Roeltgen, na última edição da revista da central sindical, Aktuell, “esta festa já faz parte não só do calendário dos eventos sindicais, mas igualmente dos eventos culturais da capital e do país” e nela costumam participar pessoas de todas classes sociais e origens, de muitas nacionalidades, residentes e fronteiriços”.

Diversidade e coesão sociais contra o “veneno” dos extremismos

Esta festa é um verdadeiro encontro de culturas, testemunho da diversidade e coesão sociais do Luxemburgo, num espírito de paz e solidariedade. O que leva Roeltgen a dizer: ”A própria existência desta festa é uma contradição às forças hoje em movimento na Europa, que em vez de promoverem a harmonia social, agitam o espectro da diferença, trocam o rearmamento pela paz e preferem o egoísmo das nações à solidariedade”.

No seu discurso no âmbito do 1° de Maio, que Roeltgen fez por ocasião do comício nacional em Pétange, a 27 de abril, o presidente cessante da OGBL alertou para o perigo dos extremismos e dos populismos, que qualificou de ”veneno”. Esses movimentos foram fomentados, disse Roeltgen, pelas políticas neoliberais que promoveram uma austeridade severa, o que arrastou milhões de pessoas na miséria, fazendo nascer sentimentos antidemocráticos e anti-europeus. São “essas mesmas forças que se opõem às conquistas sindicais, aos direitos democráticos e às liberdades”, avisou. Lutar contra essas forças é possível, defende o presidente do maior sindicato luxemburguês, por exemplo, votando nas eleições europeias de 26 de maio em partidos que defendem uma Europa mais social, apelou.

Também a luta contra o dumping social, fiscal e salarial estão na mira da OGBL. Roeltgen recordou ainda que no Luxemburgo as desigualdades sociais também aumentaram, país em que atualmente 17,4% dos habitantes estão em risco de pobreza. O aumento do salário mínimo e a introdução de dois dias livres suplementares (um novo feriado e um dia a mais de férias) foram conseguidos “graças à pressão exercida pela OGBL” junto do Governo, reclamou Roeltgen.

E a OGBL tem outras reivindicações: o Governo não deve descurar a necessidade de adaptar urgentemente a lei do trabalho para poder gerir a transição digital, mas sem recuar em termos de “tempo de trabalho”, propondo perspetivas profissionais e privadas seguras aos trabalhadores. A OGBL quer também que o Executivo reveja profundamente a formação e a formação profissional contínua, reforce as pensões, o seguro de doença e o seguro-dependência, e lute contra a especulação imobiliária.

Uma outra prioridade, além destas, acrescentou o presidente da OGBL, é a luta pelo clima e contra o aquecimento global. Mas, ressalva, Roeltgen, esta luta não deve ser feita em detrimento dos cidadãos e muito menos dos mais pobres. “Para que as pessoas sigam o movimento e mudem certas atitudes, a transição energética deve ser feita de modo a que as pessoas continuem a ter um acesso fácil à mobilidade e à energia, e o custo da transição energética deve ser repartido de forma justa por todos, para evitar fricções sociais”, advertiu.

André Roeltgen concluiu relembrando que estas eram as lutas que figuravam na campanha das eleições sociais, que não foram apenas slogans eleitorais e por isso vão começar a ser postas em ação ainda este ano, prometeu.

Um dia de festa e muita animação

As festividades da Festa do Trabalho e das Culturas começam pelas 10h45 e prolongam-se até às 18h. Do programa fazem parte atuações com grupos musicais, espetáculos, exposições, teatro, stands gastronómicos de vários países, ateliers infantis, animações, entre muitas outras atrações de interesse.

_______

=> A OGBL explica e informa. A OGBL é a n°1 na defesa dos direitos e dos interesses dos trabalhadores e dos reformados portugueses e lusófonos. Para qualquer questão, contacte o nosso Serviço Informação, Conselho e Assistência (SICA), através do tel. 26 54 37 77 (8h-17h) ou passe num dos nossos escritórios: 42, rue de la Libération, em Esch-sur-Alzette; 31, rue du Fort Neipperg, na cidade do Luxemburgo; e noutras localidades. Saiba onde se situam as nossas agências no Grão-Ducado e nas regiões fronteiriças em www.ogbl.lu.