De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

19 estados da Venezuela ficam às escuras

Um apagão deixou às escuras pelo menos 19 dos 24 estados da Venezuela, incluindo o Distrito Capital, onde foi percetível um grande silêncio. O apagão, que ocorreu pouco depois das 21h30 de segunda-feira (04h30 horas em Lisboa), foi precedido por várias subidas de voltagem que fizeram disparar os protetores de várias residências.

“Estava na cozinha, a intensidade da luz (da lâmpada) oscilou e ouvi um ruído estranho no frigorífico que parecia o de um curto-circuito. Corri a desligar tudo, ficando apenas com a luz do telemóvel para me iluminar”, explicou uma portuguesa à Agência Lusa.

Maria Freitas, residente em Los Cedros, Caracas, explicou que “depois desse susto, a cidade ficou silenciosa, como em um filme de suspense”.

A portuguesa adiantou que, apesar de a Venezuela ser um país onde ocorrem regularmente apagões e falhas elétricas, “ainda não pôde comprar protetores para todos os eletrodomésticos”.

“Eu vivo de uma pequena pensão e das poucas poupanças que consegui fazer. Apenas o frigorífico tem um protetor que hoje pensei que se teria ‘queimado’, mas a televisão, que já é velha, o rádio e o aquecedor de água estão totalmente desprotegidos”, disse.

Maria Freitas recorda que “o silêncio” provocado pelo apagão foi tão intenso que ouviu os passos dos vizinhos quando desciam as escapadas para desligar a bomba de água que tinham ligado há uns minutos, porque “como a água escasseia” foi estipulado um horário.

Por outro lado, em La Campiña, Caracas, José Martinez, empregado de um estacionamento, viu quando os seus protetores registaram “mais de 140 volts” em cada uma das duas fases elétricas.

Segundo José Martínez, houve várias subidas de energia, “antes de tudo ficar às escuras e silencioso”.

Vários utilizadores do Twitter reportaram que houve “descidas de energia, falhas elétricas, seguidas por apagões, em pelo menos 19 dos 24 estados da Venezuela.

Apesar de em Caracas, uma hora depois o sistema já estar estabilizado, os venezuelanos continuavam a comentar que as falhas persistiam em Anzoátegui, Apure, Arágua, Barinas, Bolívar, Carabobo, Cojedes, Falcón, Guárico, Mérida, Miranda, Monágas, La Guaira, Lara, Portuguesa, Táchira, Zúlia e Yaracuy.