De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Comunidades

10 mil portugueses já regressaram da Venezuela

Cerca de 10 mil portugueses e lusodescendentes saíram da Venezuela para Portugal, seis mil dos quais para a Madeira, tendo ainda sido registados fluxos significativos para Espanha e América Latina, disse o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Em declarações aos jornalistas em Sardoal (Santarém), onde presidiu à inauguração do Gabinete de Apoio ao Emigrante (GAE), José Luís Carneiro referiu que “o pico” de chegadas a Portugal ocorreu em 2017, entre agosto e o final do ano, com um novo pico registado a partir de julho de 2018.

“Na Venezuela temos 179 mil portugueses e lusodescendentes registados nos postos consulares, sendo que no Censos de 2011 da Venezuela estão identificados 37 mil emigrantes” portugueses, disse José Luís Carneiro, dando conta que, entre 2015 e 2018, “entre cinco a 10 mil portugueses saíram da Venezuela para outros países da América Latina, “cerca de quatro mil dirigiram-se para Espanha”, por “razões linguísticas”, e “cerca de 10 mil regressaram a Portugal”, a maioria desde o ano passado.

O governante aludiu a dados de um “relatório de janeiro” passado, segundo o qual a Região Autónoma da Madeira terá recebido “cerca de seis mil portugueses e lusodescendentes” e o continente “entre três a cinco mil, o que dará “cerca de 10 mil que regressaram da Venezuela”.

A estes números, observou, há que acrescentar “cerca de cinco mil venezuelanos que vieram com familiares portugueses ou pela situação lá vivida, e que estão em processo de obtenção de nacionalidade e autorização de residência”.

José Luís Carneiro disse ainda que o Governo tem vindo a “reforçar os Gabinetes de Apoio ao Emigrante, nomeadamente na região Centro e região Norte, onde há maior incidência no regresso de cidadãos” com origem na Venezuela.

Segundo o governante, “as maiores necessidades continuam a ser as ligadas à identidade e à nacionalidade dos cônjuges, esposas ou maridos, filhos ou netos que têm de obter documento de identificação, cartão de cidadão e depois obtenção da nacionalidade portuguesa, ou autorizações de residência, para as quais têm vindo a ser tomadas medidas de agilização”, numa “resposta integrada” de vários ministérios do Governo português.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

A repressão dos protestos antigovernamentais desde 23 de janeiro provocou já 40 mortos, de acordo com várias organizações não-governamentais.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados da ONU.

Na Venezuela, antiga colónia espanhola, residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes, estando “179 mil portugueses e lusodescendentes registados nos postos consulares”, segundo dados do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.