De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Opinião

Puta que os pariu

© Clique para ampliar

Clique para ampliar Um conhecido semanário português, que se diz reputado, despolitizado e imparcial, pediu-me há dias para escrever umas quantas frases sobre os nossos governantes. Chamemos-lhe artigo de opinião. Solícito, prontamente aceitei o pedido expresso, visto ser a primeira vez que um periódico deste calibre, desta casta, me incumbia de decorar com as minhas apreciações, profecias e desabafos as suas frequentadas páginas. Um privilégio ao alcance de poucos, pensei para mim, gabarolas. Adiante.

Como sempre costumo fazer em casos tais, peguei num molho de folhas, num lápis bem afiado e lancei mãos à obra. Durante quatro horas rabisquei, rabisquei, amarrotei folhas, vi sucederem-se frases, longos parágrafos. Quando se trata da política nacional, o meu cérebro é prodigo em opiniões, todavia, quando se trata especificamente dos nossos governantes, essa prodigalidade transforma-se em excedente opinativo, tal é a incomensurável quantidade de palavreado que me ocorre. Esta a explicação por que ao fim de uma hora tinha já ante mim sete páginas.

Decidi fazer uma pausa. Para lubrificar os neurónios, bebi um Porto, algo que me afinou o alento. Em pouco tempo, de enfiada, mais cinco páginas. Adição feita, tinha portanto doze páginas. Uma boa dose, sem dúvida. O editor havia-me pedido página e meia, e eu, distraidamente, estava a caminho de um livro. Era necessário estreitar as demasias da esticadela. Foi o que fiz.

Comecei por eliminar os lugares-comuns. Eram bastantes. Seguiram-se os apelos e os conselhos aos nossos dirigentes – também muitos. Sete páginas ainda. As explicações da inexplicável politicada deste governo, as inevitáveis comparações com a política de outras nações: também foram contempladas com várias linhas de grafite. Riscos, riscos. Riscos igualmente sobre as piadas em relação a alguns ministros, riscos sobre a criticaria a todos os governantes. Três páginas ainda.

Repentinamente uma dúvida abalroa-me o decurso da labuta redaccional: como abordar em página e meia um bestiário tão imenso? Um grito com notas de madeira retumbou nos meus ouvidos. Na origem do estampido um valente murro que pousei na minha mesa de trabalho. Chiça! Não tenho a mínima aptidão para sínteses, sobretudo quando se trata de parricidas, os assassinos da própria pátria, minha também. Aborrecido, rasguei duas páginas e apenas poupei a primeira que havia escrito. Li-a, reli-a. De súbito ocorreu-me que a cáfila em causa não merecia uma dúzia de linhas. Irritado, risquei, risquei. Parti o bico do lápis. Durante alguns instantes dei-me por satisfeito. Tal satisfação, no entanto, foi de curtíssima duração. Escrever uma dúzia de linhas sobre o carrasco do nosso país é atribuir-lhe importância. Recusei-me, recusei-me a escrever um tão grande número palavras sobre quem é tão pouco. Uma linha, uma linha basta. Irra!, mas numa linha não cabe a infinidade de besteiras perpetradas pelos nossos governantes, o futuro besta que nos espera.

Ignominiosos governantes, crápulas, que até a elaboração de um artigo prejudicais. Por razões obviíssimas e perfeitamente compreensíveis e justificáveis, um exaltado impulso vindo do âmago da minha repulsa accionou na minha mioleira uma vigorosa veneta. Zás! Rasurei também a derradeira frase. Assim dei por concluído o artigo. Das doze páginas iniciais conservei apenas o título: Puta que os pariu, um título que, embora seja avesso a sínteses, como referi, conterá certamente grande parte do conteúdo que eliminei.

Depois de converter para formato digital o atribulado artigo, imediatamente o fiz chegar por correio electrónico à redacção do jornal. A resposta, estranhamente, não surgiu. O jornal saiu, corri-o de uma ponta à outra – nada. O artigo não foi publicado.
Intrigado, desiludido, zangado, decidi pedir esclarecimentos ao editor. Passaram já duas semanas e até ao momento ainda não recebi resposta alguma.

Um jornal despolitizado? Imparcial? Ah! Puta que os pariu também.

dinismoura

[ Cerveira: Apanhado a regar a sua plantação de canábis ]

[ Menos 30 professores de português no estrangeiro ]

[ Junta-te ao BOMDIA no Facebook ]