De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

Presidente da República desloca-se a São Tomé em fevereiro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai deslocar-se a São Tomé e Príncipe entre os dias 19 e 22 de fevereiro, para realizar uma visita de Estado que esteve prevista para o final deste mês.

Fonte da Presidência da República disse à agência Lusa que a visita foi adiada “por uma questão de conveniência mútua”.

O programa oficial da visita de Estado de Marcelo Rebelo de Sousa à República Democrática de São Tomé e Príncipe terá início no dia 20 de fevereiro.

São Tomé e Príncipe será o quinto país lusófono a que Marcelo Rebelo de Sousa se desloca desde que tomou posse, em março de 2016, depois de Moçambique, Cabo Verde, Brasil e Angola.

Dessas deslocações, duas foram visitas de Estado, a Moçambique e a Cabo Verde, realizadas em maio de 2016 e abril de 2017, respetivamente.

Marcelo Rebelo de Sousa foi três vezes ao Brasil – para os Jogos Olímpicos, em 2016, para uma cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e para as comemorações do Dia de Portugal, em 2017 – e deslocou-se a Angola para assistir à posse do novo Presidente, João Lourenço, em setembro do ano passado.

O chefe de Estado português recebeu o Presidente da República de São Tomé e Príncipe, Evaristo Carvalho, no Palácio de Belém, em Lisboa, no dia 10 de maio de 2017, durante a sua visita oficial de uma semana a Portugal.

No final desse encontro, Marcelo Rebelo de Sousa congratulou-se com o “reatamento das relações diplomáticas” entre São Tomé e Príncipe e a China, considerando que isso torna possível “encarar um relacionamento trilateral em domínios importantes” económicos e sociais.

No plano da CPLP, o Presidente português registou “a disponibilidade de São Tomé e Príncipe para estudar e compreender, acolhendo propostas que Portugal avançou no domínio social e da circulação dos cidadãos da CPLP”.

Na sua declaração, Marcelo Rebelo de Sousa saudou São Tomé e Príncipe pelo “seu exemplo de preocupação com uma trajetória económica e financeira e com uma estabilidade política e institucional, reconhecidas por instituições internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI)”.

Três dias depois deste encontro em Belém, os dois chefes de Estado estiveram juntos nas comemorações do centenário de Fátima, aquando da visita apostólica do papa Francisco.