De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Comunidades

Português vai representar o Luxemburgo na Bienal de Arte de Veneza em 2019

O artista plástico luso-luxemburguês Marco Godinho foi escolhido para representar o Luxemburgo na Bienal de Arte Contemporânea de Veneza, em 2019, anunciou esta sexta-feira o Ministério da Cultura do Grão-Ducado.

Em comunicado, o júri explicou que a escolha permite “honrar o trabalho prolífico de Marco Godinho e a sua presença notada na cena artística nacional e internacional na última década”.

O convite para representar o Grão-Ducado na Bienal de Veneza “vai permitir-lhe realizar um projeto artístico ambicioso e inédito” e “alargar a sua rede profissional”, graças à “visibilidade acrescida do pavilhão luxemburguês no Arsenal”, acrescenta a nota.

O júri, composto por especialistas de três países, incluía Suzanne Cotter, ex-diretora do Museu de Serralves e atual responsável do Museu de Arte Moderna (Mudam), no Luxemburgo, a diretora do Centro Pompidou em Metz (França), Emma Lavigne, e o diretor do IKOB Eupen, na Bélgica, Frank-Thorsten Moll, tendo analisado 20 candidatos.

Nascido em 1978, em Salvaterra de Magos, e a viver entre Paris e o Luxemburgo, Marco Godinho chegou ao Grão-Ducado com nove anos.

Licenciado em Artes Plásticas pela Escola de Belas Artes de Nancy, em França, já expôs em quase todo o mundo, de Beirute a Nova Iorque.

Em 2016, o português, com dupla nacionalidade, participou na feira de arte contemporânea Art Central de Hong Kong, com uma ‘performance’ em que leu e rasgou páginas de “Os Lusíadas”, de Luiz Vaz de Camões.

A emigração e o nomadismo são temas que marcam o seu trabalho, a exemplo de “Forever Immigrant”, uma obra apresentada em 2015 no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa, formada pela inscrição sobreposta de centenas de carimbos, que evocam simultaneamente uma nuvem de andorinhas e o calvário burocrático dos imigrantes.

Em Palermo e Lampedusa, também em 2015, apresentou a “Declaração Universal dos Direitos Humanos”, um texto escrito em sobreposição (um método utilizado no séc. XIX, para economizar papel), que faz lembrar arame farpado, uma alusão à chegada de milhares de refugiados à costa italiana.

Em Portugal já expôs também na Fundação EDP, no Museu Berardo e no Museu da Presidência.

Uma das suas obras – um verso de “A Tabacaria”, de Álvaro de Campos, heterónimo de Pessoa, recriado com fio e alfinetes – foi adquirida pela Lotaria Nacional do Luxemburgo e decora agora a sede, nos arredores da capital luxemburguesa, com palavras em português: “Tenho em mim todos os sonhos do mundo”.

A Bienal de Arte de Veneza decorre de 11 de maio a 24 de novembro de 2019.