De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Europa

Portugal vai a Paris como um dos melhores produtores de mobiliário do mundo

Portugal vai estar na feira Esprit Meuble, em Paris, a partir deste sábado, numa altura em que o país é reconhecido “como um dos melhores produtores de mobiliário do mundo”, de acordo com a associação do setor.

A sexta edição da feira, que se realiza até 05 de dezembro no Parque de Exposições da Porta de Versalhes, vai contar com “mais de 50 empresas portuguesas”, segundo Gualter Morgado, gestor de projeto da Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA), ainda que a página internet do evento apresente 36 marcas lusas.

O responsável explicou à Lusa que “nos últimos seis anos as exportações de mobiliário em Portugal cresceram 70%” devido a uma “maior notoriedade das empresas portuguesas” e a “uma maior necessidade das empresas se internacionalizarem, a dada altura, devido à crise”.

“A dinâmica das exportações criou uma visibilidade relativamente à relação qualidade-preço e isto tem estado, aos poucos, a ser tornado conhecido em todo o mundo e Portugal aparece, dentro do circuito profissional, como um dos melhores produtores de mobiliário do mundo neste momento”, afirmou Gualter Morgado.

De acordo com dados da APIMA, as exportações portuguesas de mobiliário atingiram um total de 1,3 mil milhões de euros entre janeiro e setembro de 2017, com França, Espanha e Reino Unido a representarem 66% no volume total de exportações.

A França, com 419 milhões de euros em vendas, continua a ser o principal destino das exportações de mobiliário, tendo crescido 11,25% relativamente ao período homólogo de 2016 e alcançado uma quota de 32% do total de exportações.

Este ano, nos primeiros quatro meses, “notou-se um abrandamento notório nas exportações” para França devido “à conjuntura política e alguma incerteza provocada pelas eleições presidenciais”, mas depois “as coisas começaram a retomar a normalidade” e o mobiliário português está “na moda” em França.

“Há alguns anos nem sequer podíamos dizer que éramos portugueses porque não tínhamos esse reconhecimento. Hoje em dia, somos procurados por sermos portugueses e estarmos associados à qualidade da produção”, concluiu Gualter Morgado.

A participação portuguesa na Esprit Meuble é apoiada pela APIMA, no âmbito de um projeto financiado pelo Programa Compete 2020.