De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Opinião

Mário Centeno: novo impulso no Eurogrupo

O algarvio, Doutor Mario Centeno, Ministro das Finanças de Portugal, foi eleito presidente do Eurogrupo. Nestas funções dirigirá as reuniões dos ministros das finanças dos 19 países do euro. É um dos cargos mais importantes da UE. Merkel tinha revelado à margem da cimeira UE-África, que Centeno era o candidato preferido da Alemanha.

Mario Centeno já tinha sido considerado como o “Ronaldo do Grupo Euro” pelo ex-ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble. Este é também o prémio que Portugal recebe pelo facto de na crise da Grécia se ter mantido ao lado dos países de linha dura com a Alemanha e de Centeno continuar a manter Portugal fora da dependência dos dinheiros da Família-Euro. Deste modo, tem-se afirmado como país de confiança da EU. O apoio da Itália, Espanha e sobretudo da Alemanha garantiu o sucesso para Portugal. Centeno continuará ministro das finanças de Portugal.

Centeno dirige o grupo em tempos difíceis, como refere o jornalista Detlief Drewes pois Jean-Claude Juncker quer apresentar um documento abrangente sobre a expansão da união monetária sem que a proposta tenha sido submetida ao parecer dos ministros das finanças dos Estados membros.

“Juncker apressa-se agora – e, deste modo, assalta a soberania dos tesoureiros”. Segundo o HNA, Juncker quer transformar o fundo europeu de resgate (MEE) numa filial da Comissão Europeia e deste modo impedir o acesso aos ministros das finanças, especialmente aos 700 mil milhões de Euros que os estados membros depositaram para casos de crise.

O MEE quer criar o Fundo de moeda europeia, para se libertar dos roubos do FMI. Isto pressupõe o enfraquecimento dos Ministros das Finanças.

Centeno poderá, por sua vez, valorizar o seu posto no sentido de possibilitar a instalação de um ministro das finanças a nível europeu. Naturalmente isto corresponderia também à desvalorização dos ministros das finanças dos países membros.

Portugal produz muitas personalidades de relevo europeu e mundial: Barroso, Constâncio, Guterres e agora Centeno.