De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Opinião

“Homens imprudentemente poéticos” de Valter Hugo Mãe

Ficha técnica

Título – Homens imprudentemente poéticos

Autor – Valter Hugo Mãe

Editora – Porto Editora

Páginas – 214

Opinião

Tenho que ser sincera – Valter Hugo Mãe é um dos meus autores prediletos. Sigo a sua obra com muito fervor e abre-se-me um sorriso de orelha a orelha quando constato que publicou mais um livro. Foi o que aconteceu com Homens imprudentemente poéticos que marchou para a minha wishlistmal chegou às bancas. Não pairou por lá muito tempo, pois no último Natal alguém o pôs debaixo da árvore com o meu nome escrito na etiqueta natalícia. E agora que finalmente o li, sinto um misto de vergonha e defraudação, porque, após o encerro, tive que render-me àquilo que ainda hoje é inquestionável – a história de Itaro, Sabugo, Matsu, da criada Kame e da senhora Fuyu não me deslumbrou, será infelizmente mais uma… Aparte a genialidade da escrita do seu autor, que maneja a nossa língua como poucos e cria jogos linguísticos de uma pureza e beleza quase surreais, não criei empatia com as personagens, não fui capaz de vislumbrar a mensagem da narrativa nem de sentir nada exceto um ligeiro interesse e compaixão por Matsu e a criada Kame e alguma incredulidade e estupefação sobre o porquê de tanto ódio entre Itaro e Saburo.

Questiono-me se esta pouca ligação com a trama e correspondentes personagens poderá ter algo a ver com o pouco interesse que nutro pelas sociedades, costumes e tradições asiáticas. Questiono-me se terei lido a obra na altura certa. Questiono-me se a minha ânsia em ter nas mãos uma obra que me abalroe (até agora 2017 só me ofereceu três e uma delas foi uma releitura) prejudicou esta leitura em particular. Questiono-me e questiono-me, mas no final a dolorosa sensação mantém-se – Homens imprudentemente poéticos não me tocou, não me cativou, não mexeu como desejei que mexesse, como esperei que mexesse.

Por tudo isto, creio que não devo alongar-me mais… Dói…

NOTA – 06/10

Sinopse

Num Japão antigo o artesão Itaro e o oleiro Saburo vivem uma vizinhança inimiga que, em avanços e recuos, lhes muda as prioridades e, sobretudo, a capacidade de se manterem boa gente.

A inimizade, contudo, é coisa pequena diante da miséria comum e do destino.

Conscientes da exuberância da natureza e da falha da sorte, o homem que faz leques e o homem que faz taças medem a sensatez e, sobretudo, os modos incondicionais de amarem suas distintas mulheres.

Valter Hugo Mãe prossegue a sua poética ímpar. Uma humaníssima visão do mundo.

in O sabor dos meus livros